Calculadora da desigualdade

Oxfam chama atenção para a desigualdade crescente entre multimilionários e cidadãos comuns na América Latina.

Quantos anos um trabalhador comum levaria para alcançar os rendimentos mensais de um multimilionário em seu país? No Brasil, por exemplo, um cidadão que vive sozinho e tem renda mensal de um salário mínimo (R$ 880) precisaria trabalhar 43 anos para obter o mesmo rendimento recebido por mês pela classe mais afortunada da população. A conta também pode ser feita ao contrário, quando se descobre que um multimilionário gastaria menos de 1h30 para receber os R$ 880 que aquele assalariado recebe em um mês inteiro.

A reportagem foi publicada por Envolverde, 29-07-2016.

Esses cálculos foram produzidos a partir da Calculadora da Desigualdade, um aplicativo digital desenvolvido pela Oxfam em parceria com a agência digital de jornalismo investigativo Ojo Público. A ferramenta compara os rendimentos mensais de cidadãs e cidadãos em 16 países da América Latina e do Caribe, incluindo o Brasil. Quem quiser conhecê-la e entender mais sobre sua metodologia poderá acessar o site da Oxfam.

Baseado no estudo da Oxfam “Privilégios que Negam Direitos”, a calculadora usa números dos relatórios da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, das Nações Unidas), do Credit Suisse Global Investment Returns Yearbook, do World Ultra Wealth Report, além de outras fontes, como os índices de inflação locais.

“A calculadora escancara a desigualdade e a segmentação da sociedade em que vivemos”, diz Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil. “Esses números nos permitem não apenas comparar os ganhos nas diferentes faixas de renda da população, como também lembrar que a concentração da riqueza vai de mãos dadas com a concentração de poder e, portanto, afeta a qualidade de nossas democracias porque perverte as instituições e processos políticos, submetendo-os para servir os interesses da elite, não da cidadania.”

Segundo a Oxfam, é extrema a desigualdade na América Latina e no Caribe. Em 2014, nesses países, os 10% mais ricos acumulava 70% do total da riqueza da região. Nesse mesmo ano, 70% da população mais pobre mal conseguiu acumular 10% da riqueza. De acordo com World Ultra Wealth Report 2014, na região existem 14.805 multimilionários, que são as pessoas com riqueza superior a US$ 30 milhões.

Na calculadora da desigualdade, a Oxfam calculou o retorno médio anual da fortuna de um multimilionário de cada país para compará-lo com o rendimento médio das pessoas de outras faixas de renda. O resultado mostra a extrema concentração: um multimilionário da América Latina ganha, por ano, 4.846 vezes o que recebe uma pessoa que está no grupo dos 20% mais pobres da região.

“O debate sobre a desigualdade é essencialmente político, e queremos que esta calculadora ajude as pessoas a tomar consciência das terríveis lacunas que existem nas sociedades latino-americanas, fazendo-as exigir de seus governantes medidas para repensar o modelo de desenvolvimento, sem perder os ganhos obtidos na luta contra a pobreza. É uma necessidade inevitável em termos éticos, políticos, sociais e econômicos”, acrescenta Katia Maia.

Entre as medidas propostas pela Oxfam estão:

– Promover a igualdade econômica das mulheres e seus direitos
– Garantir de que haja condições e salários dignos para trabalhadores e trabalhadoras e reduzir a distância das bonificações dos executivos
– Promover a diversificação da economia
– Implantar uma política pública que dê prioridade à proteção social eficaz, com serviços públicos universais, de qualidade, especialmente em educação e saúde, com acesso à água e saneamento
– Controlar a influência de elites poderosas
– Realizar reformas para aumentar a capacidade fiscal dos Estados, de uma forma justa e equitativa
– Adotar medidas progressistas em relação aos gastos públicos para combater a desigualdade
– Acabar com a era dos paraísos fiscais

Fonte: CEBI Nacional