Não acumular: O Reino de Deus em primeiro lugar (Lc 12,13-21) - Carlos Mesters e Mercedes Lopes

O texto de hoje traz a seguinte afirmação de Jesus: "Olhem os passarinhos! Olhem as flores! Não se preocupam com comida e roupa! Busquem o Reino de Deus, e estas outras coisas lhes serão dadas em acréscimo". Será que conseguimos colocar essa frase em prática?

CHAVE DE LEITURA

O texto de hoje é provocado pela pergunta de um rapaz que queria que Jesus o ajudasse para conseguir a herança. Na resposta, Jesus usa três parábolas ou comparações: uma do homem rico, outra de passarinhos e outra de flores. Durante a leitura, sugerimos prestar atenção no seguinte: "Qual é a característica de cada uma destas três parábolas?" (Lc 12,13-32).

SITUANDO

No início do capítulo 12, Lucas diz que milhares de pessoas se reuniam ao redor de Jesus. Era tanta gente que uns pisavam nos outros (Lc 12,1). Que tipo de povo procurava Jesus? Muitos deles eram vítimas do "fermento dos fariseus" (Lc 12,1). Era gente censurada e controlada pelas autoridades, pois eles eram obrigados a falar às escondidas (Lc 12,3). Era gente explorada pelos impostos dos romanos e pelas taxas do Templo e, por isso mesmo, muitas vezes, amedrontada e ameaçada de morte (Lc 12,4). Jesus anima o povo a não ter medo (Lc 12,4-12).

No meio desta multidão, havia uma pessoa que não estava ali por causa dos ensinamentos de Jesus sobre o Reino de Deus. Ela queria que Jesus a ajudasse a receber a herança. Sua preocupação central eram os bens materiais. É neste contexto que Jesus passa a ensinar sobre o perigo das riquezas, contando três parábolas.

COMENTANDO

Lucas 12,13-15: Cuidado com a cobiça!

Do meio da multidão alguém toma a palavra. Ele quer envolver Jesus em brigas familiares. Quer que Jesus atue como juiz na repartição de uma herança. Jesus não aceita a provocação, pois não tem mandato legal como juiz. Então, dirigindo-se à multidão, ele passa a ensinar sobre o relacionamento com os bens materiais: "Tomem cuidado com toda cobiça. A acumulação da riqueza não assegura a vida!" Em seguida, para esclarecer o seu pensamento, conta a parábola do homem rico.

Lucas 12,16-21: A parábola do homem rico: não acumular!

Jesus conta a parábola do homem que, com muita sorte e boa administração, conseguiu acumular uma grande riqueza. Mas, a riqueza não conseguiu impedir sua morte prematura e inesperada. Justamente quando ele pensava poder gozar com tranquilidade da riqueza acumulada, a morte chegou! No versículo 21, Jesus nos dá a chave para entender o objetivo da parábola: "assim acontece com quem junta tesouros para si mesmo e não é rico para Deus!"

ALARGANDO

Jesus disse: "Não tenham medo, pequeno rebanho, porque o Pai de vocês tem prazer em dar-lhes o Reino!" O Reino de Deus deve ser o centro de toda a nossa preocupação. O Reino pede uma convivência onde não haja acumulação e sim partilha, para que todos tenham o necessário. O Reino é a nova convivência fraterna, em que cada pessoa se sente responsável pela outra. Esta maneira de ver o Reino ajuda a entender melhor as parábolas dos passarinhos e das flores, pois, para Jesus, a Providência Divina passa pela organização fraterna. Preocupar-se com o Reino e sua justiça é o mesmo que preocupar-se em aceitar Deus como Pai e ser irmão e irmã uns dos outros.

Isto traz consigo uma boa ordem econômica e social, em que já não é necessário acumular. Se houver preocupação pelo Reino, todos terão o necessário, pois a comunidade estará organizada a partir da solidariedade e da partilha. A solidariedade é um tema preferido de Lucas (Lc 3,11; 6,30; 11,41; 12,33-34; 14,14; 16,9; 18,22; 19,8; At 9,36; 10,2.4.31). Tema fundamental para os nossos dias. Frente ao crescente empobrecimento, causado pelo neoliberalismo econômico, a saída concreta, que o evangelho nos apresenta e os pobres encontraram para sua sobrevivência, é a solidariedade.

Aprender das flores e dos passarinhos não é muito comum na nossa cultura. Nosso saber é por demais racional. No entanto, Jesus nos apresenta aqui um caminho para adquirir sabedoria: observar a natureza. Contemplar e admirar o meio ambiente que nos envolve e que é fonte de saúde e de alegria.

Fonte: CEBI Nacional