Dia 08 de dezembro, dia da família; o que é família?

Este ano várias propostas polêmicas surgiram no Congresso Nacional, entre elas muitas foram aprovadas mesmo com a manifestação contrária por parte da população. Um exemplo foi a votação da maioridade penal, que foi reduzida de 18 para 16 anos. Além disso, frente o avanço conservador da bancada evangélica, até mesmo o conceito de família foi posto à prova.

O Estatuto da Família, como foi chamado o projeto, foi aprovado em 24 de setembro. Por meio do estatuto estaria definido o conceito de família aprovado pelo Senado: apenas a união entre homem e mulher, por meio de casamento ou união estável, ou a comunidade formada por qualquer um dos pais com os filhos. Tal regulação não contempla a diversidade e a gama de sujeitos que surgem nas novas configurações das famílias. Ainda mais no Brasil, um país tão plural em diferentes cores, etnias, credos, bandeiras, classes.

No CEBI encontramos a palavra de Deus como uma forma de trazer a verdadeira mensagem sobre a aceitação dos povos e suas singularidades. Acompanhe um trecho do livro “As Sagradas Famílias – Círculos Bíblicos sobre as famílias do Gênesis ao Apocalipse”, escrito por Carlos Mesters e Francisco Orofino. Neste livro os autores percorrem o álbum de fotografias das famílias que aparecem na Bíblia e mostram o que de fato elas têm de Sagrado. 

O sonho de Deus para as nossas famílias

Gênesis 1 a 3

No fim do sexto dia, Deus criou a família humana, dizendo:

Façamos o ser humano à nossa imagem e semelhança. Que ele domine os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os répteis que rastejam sobre a terra. E Deus criou o ser humano à sua imagem; à imagem de Deus ele o criou; homem e mulher os criou. Deus os abençoou e lhes disse: “Sejam fecundos, multipliquem-se, encham e submetam a terra; dominem os peixes do mar, as aves do céu e todos os seres vivos que rastejam sobre a terra” (Gn 1,26-28).

Nestas poucas palavras, a Bíblia descreve o sonho de Deus sobre a família. Projeta para o início da história humana o sonho que só vai ser realizado no fim da história. Nos capítulos 1 a 3 do livro de Gênesis, a Bíblia apresenta a maquete da família humana. É uma profecia muito bonita do futuro, projetada no passado. Suscita em nós saudade e alimenta nossa esperança.

Capítulo 1 de Gênesis

Deus criou o ser humano à sua imagem e semelhança, homem e mulher os criou. Os dois são iguais diante de Deus, cada um com sua identidade biológica: homem e mulher. E os dois recebem uma bênção para que possam continuar a ação criadora de Deus, realizando a dupla missão: multiplicar-se e dominar a terra (Gn 1, 26-28). Multiplicar-se: através da vida em família, devem perpetuar a vida. Dominar a terra: juntos, devem adaptar-se aos elementos da terra e buscar na natureza os recursos necessários, para que sirvam à vida e criem um ambiente harmonioso sem dominação, onde a vida possa florescer. Assim, eles revelam para fora a imagem e semelhança de Deus que está dentro deles, dentro de nós.

Capítulo 2 de Gênesis

Com as imagens e símbolos, a Bíblia descreve a missão humana. Adão e Eva vivem num jardim bonito (Gn, 2,8.15), em harmonia consigo mesmos, com os outros seres vivos, com a natureza e com Deus. Imagem desta harmonia é o texto que lembra como a brisa da tarde Deus descia para passear com eles no jardim (cf. Gn 3,8). Eles são felizes, livres, despreocupados e inocentes. Não existe a mentira, nem malícia nem maldade. Quase como as crianças que, quando pequenas, não se dão conta nem se envergonham quando andam nuas (cf. 2,25).

Capítulo 3 de Gênesis

Adão e Eva somos todos nós. Até hoje, temos dificuldades em observar a lei da harmonia que deus colocou no nosso coração. Entre a verdade que vem de Deus e a mentira que vem da serpente, optamos pela mentira e comemos do fruto proibido da árvore do bem e do mal (Gn 2,17), que nos é oferecido por uma serpente (Gn 3,6). Quebramos a harmonia que havia no Jardim de Deus e, por isso, somos obrigados a viver na situação em que hoje nos encontramos (cf. Gn 3,16-19).

Cada época tem a sua serpente oferecendo uma mentira atraente. Nos tempos dos primeiros cristãos, a serpente, a “antiga serpente”, era o império romano “que seduzia todos os habitantes da terra” (Ap 12,9) e perseguia “os que obedeciam aos mandamentos de Deus e mantinham o testemunho de Jesus” (cf. Ap 12,17). Hoje, a serpente divulga mentiras sobre a vida humana, é o sistema neoliberal que, com a mentira do individualismo e do consumismo, recheados com muita técnica e propaganda, desintegra a vida de muitas famílias.

Mas, apesar de tudo, permanece hoje a dupla missão da família, recebida de Deus: multiplicar-se e dominar a terra para preservar a VIDA na harmonia, e assim, fazer aparecer aos olhos de todos a igualdade entre homem e mulher e a imagem e semelhança de Deus que existe em todos nós, seres humanos.

Fonte: CEBI Nacional