Reza de dezembro 2014 na casa de Fatinha

Momento de celebração e confraternização! Desta vez nosso encontro foi dia 26/12/14, na casa da Fatinha, em Boa Vista - Vila Velha. Falamos da vida, agradecendo pelo ano de 2014. Trocamos presentes feitos por mãos criativas, nas mais variadas formas de artesanato.

Em 2015 aguardamos você em nossos encontros mensais!

Clique nos links abaixo e veja as fotos:

Feliz olhar novo - Carlos Drummond Andrade

"O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história.
O grande lance é viver cada momento como se a receita de felicidade fosse o AQUI e o AGORA.

Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais..., mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia? Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? 

Quero viver bem! Este ano que passou foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal. As vezes a gente espera demais das pessoas. Normal. A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou. Normal. 
O ano que vai entrar vai ser diferente. Muda o ano, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? 

Lc 2,22-40: Festa da Sagrada Família - Tomaz Hughes

O Evangelho da Festa da Sagrada Família, é tirado dos primeiros capítulos de Lucas. Mais uma vez, encontramos um tema muito importante para esse Evangelho – o encontro entre a Antiga e a Nova Aliança. Durante Advento, Lucas fazia paralelo entre Isabel, Zacarias e João Batista, e Maria, José e Jesus. No texto de hoje, os justos da Antiga Aliança são representados pelas figuras de Simeão e Ana, profeta e profetisa. Outros dois temas de Lucas também se destacam nesse relato – o Espírito Santo e a opção pelos pobres.

Lucas destaca que os pais de Jesus foram ao Templo conforme a Lei (cf. Lv 12,8), para oferecer o sacrifício de dois pombinhos pela purificação. Na Lei, esse sacrifício era permitido aos pobres. Mais uma vez, continuando a lição da manjedoura e dos pastores, Lucas sublinha o amor especial de Deus pelos pobres. Deixa bem claro que Maria, José e Jesus eram contados entre eles como, aliás, era toda a população do Nazaré de então.

Lucas 1,67-79: É Natal - Deus visitou seu povo e o libertou - Edmilson Schinelo

Festa agradável é a visita de um parente ou amigo, que apesar de próximo, às vezes mora distante. Melhor ainda, quando essa visita traz boas notícias! Em tempos do Natal, muitos desses reencontros acontecem. Na nossa tradição, Natal é tempo de matar saudade, de reforçar os laços e saber das novidades.

O povo de Israel fala muito das “visitas de Deus”, sempre acompanhadas de algum presente. Não de presentes como o mercado apregoa, para aumentar o lucro e o consumo. O presente que Deus traz é sempre graça e libertação.

Quando Deus visita Sara, mesmo em sua velhice ela fica grávida (Gn 21,1-2). No final de sua vida José diz a seus irmãos, no Egito: Certamente Deus vos visitará e vos fará subir desta terra para a terra que jurou dar a Abraão, a Isaque e a Jacó (Gn 50,24). Ao conversar com Moisés na sarça ardente, Deus afirma que visitou o seu povo, viu o sofrimento e, por isso, vai libertá-lo (Ex 3,7-10.16). O profeta Jeremias havia anunciado que o cativeiro da Babilônia teria seu fim com a visita de Deus (Jr 29,10). A chuva refrescante é visita de Deus a regar a terra, dizia o salmista (Sl 65,10). E, nas suas orações, o povo sempre clamava: Lembra-te de mim, Senhor, por amor do teu povo; visita-me com a tua salvação (Sl 106,4).

Lucas 2,1-7: Jesus criança, o rosto humano da ternura de Deus - Ildo Bohn Gass

No segundo capítulo da Boa Nova, segundo as comunidades de Lucas, ainda estamos no Evangelho da Infância de Jesus (Lucas 1-2). Mais do que dizer como os fatos aconteceram, essas narrativas querem ir mais fundo, querem conduzir-nos para além dos fatos, tal como o espelho retrovisor conduz nosso olhar para além dele mesmo. Por isso, fazem uma leitura teológica da infância de Jesus para servir de luz na caminhada das pessoas e das comunidades a quem elas se destinam, ontem e hoje.

Um dos textos propostos para refletir na noite de natal é a narrativa a respeito do nascimento de Jesus segundo Lucas 2,1-7. Podemos dividir este relato em duas partes.

Naqueles dias, saiu um decreto de César Augusto...

A primeira delas situa o nascimento de Jesus na difícil realidade de seu tempo (Lucas 2,1-2). O povo judeu, como tantas outras nações, está sob a dominação do império colonialista de Roma. O nome do imperador da ocasião é César Augusto, que governou em Roma de 31 a.C. até o ano 14 d.C. Seu governo, portanto, durou nada menos que 45 anos. Foi Augusto quem deu início ao império romano, concentrando, dessa forma, ainda mais do que na época da república, o poder político, militar e econômico na capital imperial. As comunidades de Lucas conheciam muita bem como os imperadores oprimiam as nações subjugadas. Anotaram, inclusive, a análise crítica que Jesus fazia de sua tirania: “Os reis dos povos dominam sobre eles, e os que exercem autoridade são chamados benfeitores” (Lucas 22,25). 

Natal: festa da humanidade de Deus e da comensalidade humana - Leonardo Boff

O Natal é repleto de significados. Um deles foi sequestrado pela cultura do consumo que, ao invés do Menino Jesus, prefere a figura do bom velhinho, o Papai Noel, porque é mais apelativo para os negócios. O Menino Jesus, ao invés, fala da criança interior que carregamos sempre dentro de nós, que sente necessidade de ser cuidada e quando, já crescida, tem o impulso de cuidar. É aquele pedaço do paraíso que não foi totalmente perdido, feito de inocência, de espontaneidadea, de encantamento, de jogo e de convivência com os outros sem qualquer discriminação..

Para os cristãos é a celebração da “proximidade e da humanidade” de nosso Deus, como se diz na epístola a Tito (3,4). Deus deixou-se apaixonar pelo ser humano que quis ser um deles. Como diz belamente Fernando Pessoa em seu poema sobre o Natal: “Ele é a eterna Criança, o Deus que faltava; ele é o divino que sorri e que brinca; a criança tão humana que é divina”.

Agora temos um Deus criança e não um Deus, juiz severo de nossos atos e da história humana. Que alegria interior sentimos quando pensamos que seremos julgado por um Deus criança. Mais que nos condenar, quer conviver e se entreter conosco eternamente.

Carta de Espírito Santo: Encontro Nacional da REJU

Nós, juventudes* de várias crenças e comunidades de fé ou sem vinculação religiosa, que lutam por justiça, reunidas entre os dias 12 a 15 de dezembro de 2014, no Município de Marechal Floriano, no Estado do Espirito Santo, para IV Encontro Nacional da REJU – Rede Ecumênica da Juventude, com parcerias da CESE (Coordenadoria Ecumênica de Serviço), FLD (Fundação Luterana de Diaconia), CEBI (Centro de Estudos Bíblicos), CONIC/ES (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, Regional Espirito Santo), IPU (Igreja Presbiteriana Unida - Presbitério de Vitória), IECLB (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil), SOS Corpo e apoio do Koinonia – Presença Ecumênica de Serviço e FE ACT Brasil (Fórum Ecumênico do Brasil membro da ACT Aliança), manifestamos, a partir desta carta, as nossas intenções para o biênio 2015/2016.

Objetivando fortalecer a atuação em todo território nacional e considerando a laicidade do Estado e as questões da lationoamericanidade, educação popular e amplitude cultural, por meio de suas regionais e das juventudes que as integram, atuaremos a partir de quatro objetivos estratégicos:

Natal - Gildo Lyone A. de Oliveira*

25 Décembre - Noël - La Naissance de JésusFaz tempo que ando meio "incomodado" com o "Natal", ou com o que fizeram dele.

A tradição cristã nos ensinou, como atestam os escritos bíblicos, que Natal é nascimento, chegada do menino Jesus. Acontecimento tão importante, a ponto de ser anunciado por profetas como Isaías, Zacarias e João Batista. 

Mas e aí? Que significado tem o Natal nos nossos dias? Que consequências traz para aqueles/as que acreditaram ou acreditam na realização desse acontecimento? 

Para iniciarmos a conversa sobre este tema, primeiro, é necessário dizer que se trata de questões polêmicas e de difícil trato. Segundo, que nos propomos falar do assunto a partir da militância e aprendizado realizado nas CEB's – Comunidades Eclesiais de Base. 

A experiência de fé construída a partir da militância pela vida, fundamentada na perspectiva do próprio Jesus Cristo, que afirma "Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância" (Jo.10,10), faz com que as CEB's promovam uma expectativa acerca da chegada do Natal, que nada se parececom o que vemos por aí, alardeado de canto a canto pela mídia brasileira e mundial, bem como por religiosos/as, cristãs/ãos das mais variadas denominações, que não se comprometem com a luta pela defesa da vida em abundância para todos/as.

Lucas 1,26-38: A visita do anjo a Maria: Surpresas de Deus - Mesters, Orofino

AnnonciationSituando

1. O anúncio do anjo a Maria (Lc 1,26-38) vem depois do anúncio do anjo a Zacarias (Lc 1,5-25). Nos dois casos anuncia-se um nascimento. Vale a pena comparar os dois anúncios para perceber as semelhanças e as diferenças. Descrevendo a visita do anjo a Maria e a Isabel, Lucas evoca as visitas de Deus a várias mulheres estéreis do Antigo Testamento: Sara, mãe de Isaque (Gn 18,9-15), Ana, mãe de Samuel (I Sam 1,9-18), a mãe de Sansão (Jz 13,2-5). A todas elas o anjo tinha anunciado o nascimento de um filho com missão importante na realização do plano de Deus. E agora, ele faz o mesmo anúncio a Isabel, esposa de Zacarias, e a Maria. Maria não é estéril. Ela é virgem. No Antigo Testamento, o anjo de Deus, muitas vezes, é o próprio Deus.

2. A Palavra de Deus chega a Maria não por meio de um texto bíblico, mas através de uma experiência profunda de Deus, manifestada na visita do anjo. Foi graças à ruminação da Palavra de Deus da Bíblia que ela foi capaz de perceber a Palavra viva de Deus na visita do anjo.

Comentando

Estudo na Paróquia Santa Rita - Vila Velha

Durante o ano de 2014, bimestralmente, aos sábados, de 14:00 às 17:30, ajudamos na reflexão na Paróquia Santa Rita, em Vila Velha. O tema partilhado foi Visão Geral do Primeiro Testamento. O grupo, composto principalmente por animadores de Circulos Biblicos e Ministros da Palavra, estava muito motivado e entusiasmado. Foi uma alegria para nós participarmos desse estudo!

Clique aqui e veja algumas fotos.

Igreja Anglicana anuncia primeira mulher que ocupará o cargo de bispo

A pastora Libby Lane se tornou nesta quarta-feira (17) a primeira mulher nomeada para o cargo de bispo da Igreja da Inglaterra, Anglicana, ao ser nomeada para liderar a diocese de Stockport, no centro da Inglaterra.

Antes de pronunciar as primeiras palavras com a nova função, Lane pediu um minuto de silêncio pelas 141 vítimas do ataque dos talibãs contra uma escola do Paquistão na terça-feira (16).

"É uma alegria inesperada estar aqui. É um dia marcante para mim e um dia histórico para a Igreja", disse Lane, de 48 anos, após o anúncio.

Libby Lane, que toca saxofone, é torcedora do Manchester United e é casada com um sacerdote, foi nomeada um mês depois do sínodo que mudou as regras para permitir a designação. O Parlamento britânico ratificou a mudança.

A aprovação desta reforma pelo sínodo inglês não obriga as outras igrejas anglicanas a ordenar mulheres para o cargo de bispo.

Fonte: CONIC

Campanha da Fraternidade em 2016 será ecumênica

A Campanha da Fraternidade de 2016 será ecumênica, ou seja, reunirá outras igrejas cristãs além da católica. Tal como nas três versões anteriores, a ação será coordenada pelo CONIC. Uma das maiores novidades para esta IV edição é que ela deverá transpor fronteiras nacionais, já que contará com a participação da Misereor - entidade episcopal da Igreja Católica da Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento na Ásia, África e América Latina.

O objetivo principal da iniciativa será chamar atenção para a questão do saneamento básico que, no Brasil, caminha a passos lentos – apesar da importância do mesmo para garantir desenvolvimento, saúde integral e qualidade de vida para tod@s.

Congresso Nacional: ratifique a Convenção da ONU

A crescente demanda por mão de obra no Brasil nos últimos anos tem exposto imigrantes de várias nacionalidades a condições de trabalho análogas à escravidão. A Convenção da ONU sobre a Proteção dos Direitos dos Trabalhadores Migrantes e Membros de Sua Família é um instrumento importante para garantir os direitos dos trabalhadores e diminuir sua vulnerabilidade. Se você concorda com a Convenção, assine a petição que pede a sua assinatura, clicando aqui.

(Walk Free / CPT / Repórter Brasil)

O Brasil é o único país do MERCOSUL que ainda não assinou a Convenção da ONU(1), embora a sua adesão venha sendo discutida no Congresso há quatro anos.

Portanto pedimos que o Congresso Nacional ratifique imediatamente a Convenção sobre a Proteção dos Direitos dos Trabalhadores Migrantes e Membros de Sua Família.

Por que isso é importante?

Estados e empresas transnacionais condenados por violação de direitos dos povos e da natureza

O Tribunal Internacional pelos Direitos da Natureza julgou 12 casos internacionais e nacionais. Alberto Acosta, presidente do Tribunal e ex-presidente da Assembleia do Equador, resolveu admitir, expandir e resolver os 12 casos, em todos eles, se condenou a vulneração dos direitos dos povos e da natureza, apresentados nos dias 5 e 6 de dezembro em Lima, Peru, e se determinou ampliar as evidências e, inclusive, a formação de sessões especiais e comissões internacionais. O evento foi realizado no marco da Conferência das Partes sobre a Mudança Climática das Nações Unidas (COP20), que também ocorre na capital peruana. 

As sentenças foram ditadas tendo como marco legal os Direitos da Natureza e a Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. "Os direitos da natureza precisam ter uma validade universal”, assevera o Tribunal. 

Este condenou o caso da empresa Chevron-Texaco no Equador pelo uso de "tecnologia inadequada e danos irreversíveis”. Insta a que a corporação proceda a reparação integral da zona, e acusa o Estado como responsável por ter permitido sua exploração. No caso peruano de Conga, aceitou o caso e determinou a nomeação uma comissão especial internacional que visite a zona para que recolha mais informação. Para a contaminação das quatro bacias amazônicas (lote 192), estabelece a criação de uma sessão especial no Peru para que o caso seja julgado; essa mesma sentença foi ditada para o caso de Bagua. Todos os casos peruanos, após o voto computado dos juízes e juízas, foram aceitos como ameaças de violação aos direitos da natureza.

Reunião destaca importância de enfrentamento à intolerância religiosa

“Enquanto não entenderem que cada qual pode seguir sua religião, a intolerância só vai aumentar”. A fala da Ialorixá Mãe Branca de Xangô traduz a necessidade das religiões de matriz africana serem respeitadas, principalmente por adeptos de outras tradições religiosas. O problema que afeta negativamente seguidores dessas expressões de fé foi pauta em uma reunião realizada na tarde da última quarta-feira (10) no terreiro Ilê Asé Obá Babá Séré, em Cajazeiras XI, Salvador (BA).

O encontro, articulado por sacerdotisas e sacerdotes de cultos afro da região de Cajazeiras, contou com a presença da CESE, do Conselho Ecumênico Baiano de Igrejas Cristãs (CEBIC) e da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) da Bahia. A principal motivação do encontro foi o repúdio aos ataques que as religiões de matriz africana vêm sofrendo ao longo de séculos e que tem se intensificado em todo território brasileiro. Caso mais recente foi o ato que aconteceu na Pedra de Xangô em Cajazeiras X, no último mês de novembro, quando 200 quilos de sal foram despejados na pedra (sagrada para as religiões afros) e no seu entorno, num claro desrespeito ao povo de santo.

Reunião do Núcleo Guarapari


Os cebianos e cebianas do núcleo Guarapari se reuniram dia 11/12/14 e decidiram iniciar, em 2015, o estudo dos 8 livros da coleção "Uma introdução à Bíblia" do ldo Bohn Gass, assessor do CEBI Nacional.

Vol. 1: Porta de Entrada
Vol. 2: Formação do Povo de Israel
Vol. 3: Formação do Império de Davi e Salomão
Vol. 4: Reino Dividido
Vol. 5: Exílio Babilônico e Dominação Persa
Vol. 6: Período Grego e Vida de Jesus
Vol. 7: As Comunidades Cristãs da Primeira Geração
Vol. 8: As Comunidades Cristãs a partir da Segunda Geração

A próxima reunião será dia 21/02/2015, 19:30, na Comunidade Luterana, para compartilharmos as descobertas e dúvidas do primeiro livro: "Vol. 1: Porta de Entrada". Nos vemos lá!

Clique aqui e veja as fotos desse encontro.

Lutar por direitos e dignidade - Nei Alberto Pies

Os educadores e educadoras, ao decidirem por paralisações ou greves em defesa de seus direitos, cumprem importante tarefa educativa de alertar a comunidade e seus alunos de que sempre é preciso lutar quando estão em risco os direitos e as conquistas.

Crianças, adolescentes e jovens percebem com facilidade quando um professor lhes aponta caminhos para construir sabedoria, viver o amor e lutar pela dignidade. Percebem, também, quando os educadores os encorajam para engajar-se socialmente pela garantia dos direitos humanos. A ocupação pacífica das ruas feita por educadores pode ensinar-lhes muito mais do que através de discursos e teorias sobre como viver em sociedade e como sobreviver de forma organizada, em defesa de interesses da coletividade.

Oferecemos, todos os dias, nas salas de aula, o melhor do que somos e o melhor do que temos por amor aos alunos. Oferecemos a eles luzes de esperança, forjadas na cotidiana luta de nossa superação pessoal e profissional. Se os adolescentes sonham em transformar o mundo, apontamos caminhos de saudável rebeldia, capaz de arrebatar causas, sonhos e desejos que movem a cada um e a coletividade. Se jovens e adultos acreditam no poder do conhecimento, os estimulamos a fazerem suas buscas na vida pessoal e profissional, através do estudo.

Trabalhadores do Piauí levam Prêmio Nacional de Direitos Humanos 2014

A Associação do Assentamento Nova Conquista, localizado em Monsenhor Gil, Piauí, foi contemplada com o Prêmio Nacional de Direitos Humanos 2014, na categoria Erradicação do Trabalho Escravo. O prêmio é organizado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. A distinção é entregue neste dia 10 de dezembro, em solenidade realizada no Palácio do Planalto.

Na oportunidade outras 22 personalidades ou entidades foram homenageadas.

Constituída a partir de 2004, a Associação do Assentamento Nova Conquista reúne 39 famílias de trabalhadores migrantes do município de Monsenhor Gil, já envolvidas em situações de trabalho escravo no roço de juquira e no desmatamento, em empreitas realizadas em fazendas de gado no interior do Pará. A cada ano é costumeira a migração de milhares de trabalhadores piauienses que saem em busca de "melhoras" em outros estados do país. Na época, Monsenhor Gil não foge desta regra imposta pela falta de opções locais de trabalho e de renda.

Conflito de interesses - Marcus Eduardo de Oliveira

Basta uma rápida visão panorâmica sobre o meio ambiente para perceber, de imediato, que a atividade econômica "conseguiu" desfigurar o semblante da natureza. De igual maneira, basta lançar os olhos nos mecanismos de compra e venda de mercadorias para perceber que o planeta foi transformado num incomensurável supermercado.

O mundo está entulhado de mercadorias; a maioria delas não faz o menor sentido para a nossa existência. Na atualidade, o que a economia mundial produz de PIB, em 365 dias, equivale à produção mundial acumulada de 2000 anos.

Com isso, fica cada vez mais difícil de negar que há um conflito de interesses entre os homens, a economia e a natureza. No meio desse conflito, entre a cruz e a espada, há a convivência dos desejos de consumo ilimitados (pela sociedade), excesso de produção industrial (pelo sistema econômico) e limites biofísicos (pela natureza).

Violência contra ativistas de direitos humanos aumentou na América Latina, diz relatório

A Anistia Internacional (AI) denunciou, nesta terça-feita (9), o aumento da violência contra ativistas de direitos humanos na América Latina e exigiu dos governos que tomem medidas para garantir a sua proteção.

No relatório Defender os Direitos Humanos nas Américas: Necessário, Legítimo e Perigoso, a organização registra ataques, repressão e intimidação aos ativistas, “que são constantemente perseguidos e atacados em represália ao seu trabalho”, segundo a diretora da AI para o Continente Americano, Erika Guevara.

“Em vários países temos visto um aumento preocupante e vergonhoso da violência e repressão pelo mero ato de defender os direitos humanos e a justiça”, declarou Guevara.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) citados pela AI, a Colômbia é um dos países com o índice mais alto de homicídios, com 40 mortos nos primeiros nove meses deste ano. Entre setembro e outubro, uma centena de ativistas foi ameaçada por grupos paramilitares.

COP 20: Igrejas reforçam o engajamento ecumênico por justiça climática

Entre os dias 1 e 12 de dezembro, a capital do Peru, Lima, está recebendo a XX Conferência das Partes (COP 20) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC). Diversas inicativas de incidência em torno do tema da justiça climática estão sendo realizadas com participação direta de igrejas-membro do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e demais parceiros ecumênicos.

Desde a primeira COP, realizada em 1995, em Berlim, Alemanha, o CMI sempre tem enviadosua delegação para participar das discussões. Mais recentemente, o Conselho também passou a buscar fomentar e dar visibilidade à participação de suas igrejas-membro em diferentes frentes de trabalho e conscientização que eventos como este costumam possibilitar.

Em Lima, a incidência ecumênica tem ocorrido nas mais diversas frentes. Desde as sessões plenárias e eventos paralelos da conferência oficial até o desenvolvimento dos trabalhos do Comitê Inter-religioso do Peru, igrejas e organismos ecumênicos tem desempenhado um papel ativo e expressivo na busca por justiça climática.

Aos que defendem a volta da ditadura - Eliane Brum

Quando escuto brasileiros fazendo manifestação pela volta da ditadura, penso que eles não podem saber o que estão dizendo. Quem sabe, não diz. Mas esse primeiro pensamento é uma mistura de arrogância e de ingenuidade. O mais provável é que uma parte significativa desses homens e mulheres que têm se manifestado nas ruas desde o final das eleições, orgulhosos de sua falta de pudor, peçam a volta dos militares ao poder exatamente porque sabem o que dizem. Mas talvez seja preciso manter não a arrogância, mas a ingenuidade de acreditar que não sabem, porque quem sabe não diria, não poderia dizer. Não seria capaz, não ousaria. É para estes, os que desconhecem o seu dizer, estes, que talvez nem existam, que amplio aqui a voz das crianças torturadas, de várias maneiras, pela ditadura.

Crianças. Torturadas. De várias maneiras.

Como Ernesto Carlos Dias do Nascimento. Ele tinha dois anos e três meses. Foi considerado terrorista, “Elemento Menor Subversivo”, banido do país por decreto presidencial. Foi preso em 18 de maio de 1970, em São Paulo, com sua mãe, Jovelina Tonello do Nascimento. O pai, Manoel Dias do Nascimento, militante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), organização comandada por Carlos Lamarca, havia sido preso horas antes. Ernesto é quem conta:

Já não escravos, mas irmãos - Liberdade para a Paz

No dia 1º de janeiro comemora-se o Dia Mundial da Paz. Para a ocasião, o Papa Francisco escreveu uma mensagem, repudiando todas as formas de escravidão e exaltando a liberdade para a conquista da paz. Leia o texto na íntegra:

JÁ NÃO ESCRAVOS, MAS IRMÃOS

1. No início dum novo ano, que acolhemos como uma graça e um dom de Deus para a humanidade, desejo dirigir, a cada homem e mulher, bem como a todos os povos e nações do mundo, aos chefes de Estado e de Governo e aos responsáveis das várias religiões, os meus ardentes votos de paz, que acompanho com a minha oração a fim de que cessem as guerras, os conflitos e os inúmeros sofrimentos provocados quer pela mão do homem quer por velhas e novas epidemias e pelos efeitos devastadores das calamidades naturais. Rezo de modo particular para que, respondendo à nossa vocação comum de colaborar com Deus e com todas as pessoas de boa vontade para a promoção da concórdia e da paz no mundo, saibamos resistir à tentação de nos comportarmos de forma não digna da nossa humanidade.

João 1.6-8, 19-28: Testemunho e ação - Gottfried Brakemeier

1. Introdução
A atuação de João Batista, de que fala o texto em pauta, tinha dado origem a esperanças messiânicas. Formara-se uma comunidade de seguidores, do que é testemunha o historiador Josefo, bem como um texto como o de Atos 19. l s. Seria ele, João, o Messias esperado, com cuja vinda seria inaugurado o reino de Deus? A pregação destemida, o batismo de arrependimento, o estilo profético desse homem, tudo parecia credenciá-lo como salvador do povo, sábio religioso, liderança carismática. Não havia o próprio Jesus se submetido ao batismo de João? Como se relacionam os dois personagens? É a questão em foco no trecho previsto para a prédica neste 3° Domingo do Advento. Quem é João Batista?

O evangelista João responde à sua maneira. Pelo que tudo indica, é conhecedor da tradição sinótica. Mas, como costuma fazer, funde a tradição com os seus propósitos teológicos específicos. Para o quarto evangelista, o Batista é por excelência testemunha. É este o enfoque absolutamente predominante, fazendo com que certos aspectos dos textos paralelos nos evangelhos sinóticos sejam ignorados. Falta a menção do juízo iminente na prédica de João, falta a referência a seu modo de vestir e alimentar-se, faltam outros detalhes. Temos neste trecho um belo exemplo de concentração joânica numa questão fundamental para a cristandade, ou seja: quem é de fato salvador?

João 1,6-8: Endireitai o caminho do senhor! - Claudete Beise Ulrich

Neste terceiro domingo do Advento, refletimos sobre João Batista, simbolizado pela 3ª vela da coroa de Advento, aquele que preparou o caminho para Jesus. João Batista denuncia as injustiças do seu tempo, e aponta para aquele que é a luz. É interessante perceber que sempre refletimos sobre João Batista, este importante personagem bíblico, nos "meios tempos", isto é, no meio do ano, na festa de São João (24 de junho) e agora antes do Natal. A vida e a história de João Batista nos acompanham ao longo do ano, lembrando-nos da importância da humildade, de ter a coragem de dizer "Não" e do testemunho da verdade!

É interessante observar que, já no prólogo do Evangelho de João, em 1,6-8 ele é mencionado, e na continuidade, encontramos todo um texto dedicado a ele (João 1,19-34). Em nossa reflexão, vamos privilegiar o texto de João 1,6-8,19-28.

João Batista - testemunha da luz (João 1,6-8)

No Evangelho de João, João Batista é identificado como a primeira testemunha da luz. "Ele veio como testemunha para que testificasse a respeito da luz, a fim de todos virem a crer por intermédio dele". O que significa ser testemunha da luz? João Batista vem na frente para testemunhar a luz. A luz ilumina! Ela traz a verdade à tona. A luz não quer esconder nada! Como é triste uma vida sem luz! Na verdade, a vida não existe sem luz! Vida e luz estão interligadas! Portanto, João é portador do anúncio de uma vida boa, justa, abundante. Ele anuncia esta vida. João é testemunha. Testemunha é alguém portador de uma verdade. Alguém que presenciou um fato! É interessante que o Evangelho de Lucas conta que quando as mães grávidas Maria e Isabel se encontraram, a criança no ventre de Isabel se mexeu de alegria. Já ali o bebê João Batista dá testemunho de alegria da criança que está no ventre de Maria. Esta comunicação das barrigas grávidas de Maria e Isabel, guardada no registro do Evangelho de Lucas 1,39-45, já nos fala desta testemunha da luz! Ser testemunha é partilhar da alegria da luz! A luz só tem sentido se ela é partilhada! João Batista anuncia para toda a gente a chegada da luz. Ele chamou a todos e todas a crerem na luz da vida! O Evangelho de João também afirma: "Ele não era a luz, mas veio para que testificasse da luz". João Batista não era a luz. Ele veio para ser testemunha da luz.

Assembleia Estadual 2014 - CEBI-ES


O CEBI-ES realizou sua assembleia de avaliação e planejamento nos dias 05, 05 e 07 de dezembro de 2014. Nos inserimos no processo de Celebração dos 35 anos de caminhada do CEBI Nacional, fazendo ecoar a reflexão sobre “nossas sedes e nossas águas". Assumimos compromissos desafiadores... Vamos seguir buscando "as diferentes águas para o conjunto de nossas sedes".

Nossas prioridades para 2015-2017 são Juventudes e Relações de Gênero!

Clique aqui e veja as fotos desse encontro de cebianas e cebianos.

Estudo do Evangelho da Comunidade de João

Olá! 

No segundo semestre de 2014 estudamos o Evangelho da Comunidade de João, na nossa sala, no Centro de Vitória. Todas as quintas-feiras, de 19:00 às 21:00, nos encontramos desde o dia 07 de agosto. O enceramento do Curso foi dia 04 de dezembro de 2014.

O aprendizado, a troca de saberes, foi muito gratificante. Em 2015 esperamos por você!

Clique aqui e veja as fotos dessa nossa caminhada!

Campanha FLD - Natal com Direitos: Trabalho escravo ou comércio justo?

Entre 1995 e 2013, mais de 47 mil trabalhadoras e trabalhadores foram resgatadas e resgatados do trabalho escravo, em todos os estados brasileiros. O crime está presente em atividades como a construção civil, indústria têxtil, produção do carvão, cultivos agrícolas da cana-de-açúcar e soja, além de outros segmentos econômicos.

Muita gente pensa que esse tipo de exploração ainda força pessoas a trabalharem presas a correntes. Não se trata disso. Contudo, a escravidão contemporânea não é menos grave do que aquela do passado, pois a liberdade e a dignidade de mulheres e de homens continuam sendo sistematicamente violadas - devido às condições desumanas a que são submetidas e submetidos, como jornadas exaustivas, condições degradantes de trabalho e de vida, servidão por dívida, retenção de documentos ou vigilância ostensiva.

Trabalho escravo está muito mais perto de nós do que imaginamos. Dois casos recentes, divulgados no site Repórter Brasil, que está à frente da Campanha Escravo nem Pensar (ENP!), vinculam a Renner, rede varejista de roupas, e a M5, empresa do estilista Carlos Miele detentora da marca M. Officer, à exploração de pessoas, mas a lista é maior e as condições das trabalhadoras e trabalhadores, revoltante.

Concurso para ilustrar o cartaz da Semana de Oração 2015

O CONSELHO NACIONAL DE IGREJAS CRISTÃS DO BRASIL lança concurso para escolher o cartaz que ilustrará as peças de divulgação (virtuais e impressas, do CONIC e parceiros) da Semana Nacional de Oração pela Unidade dos Cristãos e Cristãs.

Tema da Semana:
Dá-me um pouco da tua água (Jo 4.7)

1. O QUE ENVIAR?

Para concorrer, o participante precisa encaminhar:

- Um cartaz, já finalizado, que reflita o tema da Semana.

Obs.: todo material encaminhado deve ter escrito, de forma inequívoca, seja no rodapé, topo ou mesmo centralizado, a seguinte frase: Dá-me um pouco da tua água (Jo 4.7)

Mais de 211 conflitos são provocados por mineração em toda América Latina

“A contaminação social é a perda de valores espirituais, éticos, humanistas. Na mineração tudo se compra e se vende, ela é como um dogma”, afirma Cesar Padilla. O encontro latinoamericano de “Igrejas e Mineração” reúne em Brasília mais de 90 pessoas de 13 países de todo o continente. São religiosos, religiosas, leigos e leigas que debatem de 2 a 5 de dezembro, desafios e enfrentamentos frente às atividades de mineração e o impacto nos territórios e meio ambiente.

Os participantes do encontro relembraram os mártires mortos em função da mineração. Cesar Padilla, do Observatório de Conflitos de Mineração da América Latina- articulação composta por 40 organizações cujo objetivo é defender comunidades afetadas pela mineração- afirma que estão registrados em todo o continente, mais de 211 conflitos provocados pela mineração, aliado a isso a violação aos direitos humanos e criminalização dos protestos contra os grandes empreendimentos.

Para Padilla, as empresas têm perdido as licenças sociais das obras e a permissão das comunidades. Este rechaço está acontecendo devido a uma consciência nas comunidades de que a mineração é uma atividade nociva com consequências desastrosas para a população. Este grande sentimento de indignação se dá, pois as empresas já não conseguem mais sustentar as mentiras prometidas com os ditos progressos advindos pelas atividades de mineração.

Confira a entrevista.

Onde está o nó da questão ecológica (I)? - Leonardo Boff

Estamos acostumados ao discurso ambientalista genralizado pela mídia e pela consciência coletiva. Mas importa reconhecer que restringir a ecologia ao ambientalismo é incidir em grave reducionismo. Não basta uma produção de baixo carbono mas mantendo a mesma atitude de exploração irresponsável dos bens e serviços da natureza. Seria como limar os dentes de um lobo com a ilusão de tirar a ferocidade dele. Sua ferocidade reside em sua natureza e não nos dentes. Algo semelhante ocorre com o nosso sistema industrialista, produtivista e consumista. É de sua natureza tratar a Terra como um balcão de mercadorias a serem colocadas no mercado. Temos que superar esta visão caso quisermos alcançar um outro paradigma de relação para com a Terra e assim sustar um processo que nos pode levar a um caminho sem retorno e mesmo a um abismo.

Estamos cansados de meio-ambiente. Queremos o ambiente inteiro, vale dizer, uma visão sistêmica do sitema-Terra, do sistema-vida e do sistema-civilização humana, constituindo um grande todo, feito de redes de inerdependências, complementações e reciprocidades.

Com razão a Carta da Terra tende a substituir meio-ambiente por comunidade de vida pois a moderna biologia e cosmologia nos ensinam que todos os seres vivos são portadores do mesmo código genético de base – os vinte aminoácidos e as quatro bases fosfatadas – desde a bactéria mais originária surgida há 3,8 bilhões de anos, passando pelas grandes florestas, os dinossauros, os colibris e chegando a nós. A combinação diferenciada desses aminoácidos com as bases fosfatadas origina a diversidade dos seres vivos. O resultado desta constatação é que um laço de parentesco une todos os viventes, formando, de fato uma comunidade de vida a ser “cuidada com compreensão, compaixão e amor”(Carta da Terra, n. I, 2). O que São Francisco de Assis intuía em sua mística cósmica, chamando a todos os seres com o doce nome de irmãos e irmãs, nós o sabemos por um experiento científico.

Encerramento do Estudo do Evangelho da Comunidade de João

No segundo semestre de 2014 estudamos o Evangelho da Comunidade de João, na nossa sala, no Centro de Vitória. Todas as quintas-feiras, de 19:00 às 21:00, nos encontramos desde o dia 07 de agosto. O enceramento do Curso foi dia 04 de dezembro de 2014.

O aprendizado, a troca de saberes, foi muito gratificante. Ano que vem esperamos por você!

Clique aqui e veja as fotos dessa nossa caminhada!

A COP 20 e os povos indígenas do Brasil

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) exige compromissos obrigatórios para conter o aquecimento global e por um novo modelo de desenvolvimento que respeite os povos e territórios indígenas

Acontece de 1 a 12 de dezembro de 2014, em Lima, Peru, a Vigésima Conferência das Partes (COP 20) – Estados – que aderiram à Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), criada em 1992 no Rio de Janeiro, Brasil. A Convenção tem por objetivo estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera em um nível que não ofereça perigo para o sistema climático.

A expectativa é que a COP 20 avance para compromissos significativos de enfrentamento da crise climática no mundo, por meio do rascunho de um Novo Acordo Global sobre mudanças climáticas, que, se aprovado em Paris, França, na COP 21, em 2015, entrará em vigor a partir de 2020.

Segundo a Organização Metereológica Mundial (OMM), em 2013 os gases de efeito estufa aumentaram a níveis sem precedentes, sobretudo pelo dióxido de carbono (CO2). Teme-se que o aquecimento global nas próximas décadas supere os 2 graus centígrados, que atualmente atinge já 0,8 graus sobre o nível da temperatura do ano de 1900. Entre outros impactos verifica-se os degelos contínuos nos pólos e seus efeitos sobre o nível do mar e a vida marina; a segurança alimentar e os sistemas de produção tradicional de alimentos estão ameaçados e são cada vez mais freqüentes as catástrofes naturais, tais como as inundações, que vitimam milhares de pessoas, que perdem seu lar e meios de subsistência.

Marcos 1,1-8: Uma voz clama no deserto: Fé na ousadia de Deus! - Odete Adriano

Esta reflexão é sobre o segundo domingo do Advento. Advento é tempo de reflexão diante do plano de Deus para a humanidade. É tempo de refletir como estamos orientando nossas vidas em relação ao propósito de Deus. Advento também é vinda, chegada. Ele vem. Jesus vem!

É um período especial, pois antecede o Natal, e traz nada menos que três desafios à cristandade. Esse período (1) quer nos lembrar do Advento histórico, passado. (2) Quer nos lembrar do Senhor que quer ser, hoje, nosso hóspede, portanto, o aspecto presente. (3) Finalmente, quer nos remeter ao futuro: o aspecto escatológico do mesmo.

O Advento é época de recuperar os grandes feitos de Deus. Eles são fundamentais para a nossa fé cristã e orientadores para a nossa convivência na comunidade e no mundo, em testemunho e serviço. Recuperar os fatos, no Advento, significa, conforme Isaías, novo fascínio, força e vigor para superar nossos cansaços, desesperanças, desânimo, vontade de desistir e cultivar nossa fé - esperança no Senhor. Advento é esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas. É esperança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante de tantas coisas que afligem nossa alma e ferem nosso corpo.

Clériga representará IEAB na Conferência da ONU sobre status da mulher

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) terá, em 2015, uma representante na Conferência das Nações Unidas sobre o Status da Mulher. Seguindo o caminho de outras representações em anos anteriores, onde a IEAB teve outras mulheres leigas e clérigas como representantes (Christina Winnischofer, Ana Lucia Machado, Sandra Bueno, reverenda Inamar Correa, Ilcélia Soares, Sandra Andrade), este ano será a vez da reverenda Tatiana Ribeiro.

Para esta Conferência, os primazes da Comunhão Anglicana foram convidados a indicar mulheres jovens envolvidas com trabalhos de juventude e superação da discriminação de gênero. A ênfase da Conferência será sobre o protagonismo das mulheres jovens que sofrem discriminação no mundo inteiro, especialmente em países onde até o acesso aos estudos e ao trabalho são ainda um grande desafio.

História de dom Pedro Casaldáliga é retratada em filme

O filme “Descalço sobre a Terra Vermelha”, sobre a atuação do bispo Pedro Casaldáliga e da Prelazia de São Félix do Araguaia, será lançado nesta terça-feira, 2 de dezembro, às 18:00h. A TV Brasil vai exibir o filme em três capítulos nos dias 13, 20 e 27 de dezembro, às 21h30.

Uma trajetória intensa. É assim que pessoas que convivem com o bispo emérito de São Félix do Araguaia, dom Pedro Casaldáliga, definem a vida do homem que se dedicou a lutar para que a população mais pobre e os indígenas tivessem consciência de seus direitos e lutassem por eles.

Nesta terça-feira (2), os moradores da cidade mato-grossense na qual Casaldáliga vive até hoje participarão do pré-lançamento do filme Descalço sobre a Terra Vermelha. A obra, baseada no livro que leva o mesmo nome e que conta a história do bispo, é uma coprodução da TV Brasilcom mais duas televisões públicas, uma espanhola e outra catalã, e será exibida no canal brasileiro em três episódios nos dias 13, 20 e 27 deste mês.

Manifesto pelo Dia Mundial de Luta Contra os Agrotóxicos

Neste dia 3 de dezembro, saímos às ruas em todo o país para denunciar o modelo da morte que domina a agricultura brasileira: o agronegócio.

Há exatos 30 anos, explodia a fábrica de agrotóxicos da Caribe Union, atual Dow Chemical, na cidade de Bhopal, Índia. Na tragédia, mais de 16.000 pessoas morreram, e pelo menos 560.000 foram gravemente intoxicadas.

Bhopal não foi um acidente. Assim como também não foi um acidente a chuva de venenos na escola de Rio de Verde (GO), e tantas outras tragédias anunciadas pela ganância daqueles que afirmam que a comida que nos alimenta só pode ser produzida com muito veneno. Eles lucram muito com isso.

Em 2013, o mercado de agrotóxicos rendeu US$11,5 bilhões. O lucro se concentra em seis grandes empresas transnacionais: Monsanto, Basf, Syngenta, Dupont, Bayer (fabricante do gás letal usado pelos nazistas) e a Dow, que até hoje não reconhece sua responsabilidade sobre Bhopal.

Cristãos são chamados a ser pacificadores

A peregrinação de justiça e paz foi o foco central do discurso do secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Rev. Dr. Olav Fykse Tveit, na abertura da Consulta Ecumênica sobre a Paz, em Sigtuna, Suécia. Tveit convidou os cerca de 80 participantes vindos de todo o mundo a unirem-se ao caminho comum da esperança.

"Estamos juntos na peregrinação de justiça e paz como estamos juntos no movimento ecumênico", disse Tveit. "Estamos olhando para uma expressão visível da nossa unidade. Em nosso tempo, somos especialmente chamados a encontrar novas expressões de nossa unidade na solidariedade cristã. Essa solidariedade é uma expressão da paz justa, uma forma de solidariedade com todos, independentemente da fé."

Tveit acrescentou: "Esta consulta é um dos meios pelos quais estamos tentando dar mais forma e conteúdo à Peregrinação de Justiça e Paz e determinar como podemos caminhar juntos."

Manifesto ao Povo Brasileiro

A CPT se junta a outras entidades, organizações sociais e povos tradicionais para manifestar ao povo brasileiro o golpe que se aproxima contra os direitos dos grupos originários. Serão votados hoje no STF a ADIN 3239, que atenta contra os direitos conquistados pelos remanescentes de quilombos, e na Câmara será avaliada a PEC 215, que, da mesma forma, coloca em risco os direitos indígenas. O povo brasileiro precisa se unir contra essa manobra que visa usurpar os direitos dos povos tradicionais desse país.

Manifesto ao Povo Brasileiro

Às vésperas do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal, STF, da Ação Direta de Inconstitucionalidade, ADIN 3239, proposta pelo partido Democratas, contra o Decreto Federal 4.887/200 e da votação pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, do Substitutivo à Proposta de Emenda à Constituição 215/2000 expressamos nossa profunda preocupação com o que está acontecendo neste país.

Organismos ecumênicos promoverão justiça climática durante a COP 20

Com o início da XX Conferência das Partes (COP20) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), no dia 1° de dezembro, em Lima, Peru, igrejas-membro e parceiros do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) iniciaram ações de incidência para promover a causa da justiça climática na perspectiva das organizações baseadas na fé.

A COP20 é um passo importante no longo caminho rumo à construção de um instrumento justo e ambicioso que substitua o Protocolo de Kyoto (assinado em 1997) e seja capaz de reduzir drasticamente as emissões de gases que causam o efeito estufa e incluir as consequências já visíveis das mudanças climáticas que estão afetando milhões de pessoas ao redor do mundo.

Paralelamente ao evento oficial da ONU, sociedade civil, redes populares, movimentos sociais, institutos de pesquisa e cidadãos em geral vão organizar a “Cúpula dos Povos sobre Mudanças Climáticas”, entre os dias 9 e 12 de dezembro.

A agroecologia é a solução para a fome e a mudança climática

“Para erradicar a fome é imprescindível aumentar a renda dos setores empobrecidos e contribuir para que os produtores de alimentos em pequena escala possam manter seu modo de vida, para se alimentarem e alimentarem o mundo de forma sustentável”, escreve Kirtana Chandrasekaran e Martín Drago, coordenadores do programa de Soberania Alimentar da Amigos da Terra Internacional, em artigo publicado pelo portal Envolverde/IPS, 28-11-2014.

Eis o artigo.

Cientistas especializados em mudança climática divulgaram no dia 2 sua mais recente advertência de que a crise climática está piorando rapidamente em vários aspectos. Preveem que a mudança climática afetará a produtividade agrícola, cuja consequência afetará a segurança e a soberania alimentar de muitos países.

Nossos governos adotarão as medidas urgentes e necessárias para abordar essas crises?

Ensina a teu filho - Frei Betto

“Ensina a teu filho que o Brasil tem jeito e que ele deve crescer feliz por ser brasileiro.

Há neste país juízes justos, ainda que esta verdade soe como cacófato. Juízes que, como meu pai, nunca empregaram familiares, embora tivessem filhos advogados. Jamais fizeram da função um meio de angariar mordomias e, isentos, deram ganho de causa também a pobres, contrariando patrões gananciosos ou empresas que se viram obrigadas a aprender que, para certos homens, a honra é inegociável.

Ensina a teu filho que neste país há políticos íntegros como Antônio Pinheiro, pai do jornalista Chico Pinheiro, que revelou na mídia seu contracheque de parlamentar e devolveu aos cofres públicos jetons de procedência duvidosa.