Lutero e as divisões do mundo - Edmilson Schinelo

Na semana de celebração da Reforma Protestante o CEBI apresenta o artigo de Edmilson Schinelo que reflete sobre a atitude de Martinho Lutero.

Há 500 anos, quando a Europa fundamentalista se lançava ao mar para conquistar novas terras, escravizando e exterminando povos indígenas e negros, muitas vozes se levantaram para denunciar o mau uso da religião. Mulheres e homens fizeram surgir, sob a ação do Espírito Santo, movimentos que ajudaram a recuperar o sonho do cristianismo primitivo.

Entre todas essas vozes, uma das que mais ecoaram foi a de um monge chamado Martinho Lutero. Com toda a sua fragilidade humana, com seus erros e acertos, Lutero conseguiu mostrar à Igreja de Cristo que estava na hora de "voltar a Jesus".

1. Em busca de uma história mais verdadeira

Há 500 anos, quando a Europa fundamentalista se lançava ao mar para conquistar novas terras, escravizando e exterminando povos indígenas e negros, muitas vozes se levantaram para denunciar o mau uso da religião. Mulheres e homens fizeram surgir, sob a ação do Espírito Santo, movimentos que ajudaram a recuperar o sonho do cristianismo primitivo.

Papa: “estar do lado dos pobres é Evangelho, não comunismo”

Terra, casa, trabalho: esses foram os três pontos fundamentais em torno dos quais desenvolveu-se o longo e articulado discurso do papa Francisco aos participantes do Encontro Mundial dos Movimentos Populares, recebidos na última terça-feira, 28, na Sala Antiga do Sínodo, no Vaticano. Francisco ressaltou que é preciso revitalizar as democracias, erradicar a fome e a guerra, assegurar a dignidade a todos, sobretudo aos mais pobres e marginalizados.

Encorajados pelo papa a “construir uma Igreja pobre e para os pobres”, mais de 100 leigos, líderes de grupos sociais, 30 bispos engajados com as realidades e os movimentos sociais em seus países, e cerca de 50 agentes pastorais, além de alguns membros da Cúria romana, participaram desde segunda-feira, 27, do Encontro Mundial dos Movimentos Populares, que se realizou em Roma até ontem, 29 de outubro.

Mais escolarizadas, mulheres ainda ganham menos e têm dificuldades de subir na carreira

Divulgadas nesta sexta-feira (31), as Estatísticas de Gênero do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), um recorte inédito dos dados do Censo de 2010, mostram que as mulheres brasileiras já engravidam menos na adolescência, estudam mais do que os homens e tiveram aumento maior na renda média mensal. Mas elas ainda ganham salários menores e têm dificuldade de ascender na carreira.

Segundo a pesquisa, entre os anos de 2000 e 2010, as mulheres brasileiras tiveram um aumento de 12,8% na renda média mensal, contra 3,6% de aumento da renda dos homens, o que na visão dos especialistas mostra um avanço rumo à equiparação salarial.
Vantagem educacional

A renda média do homem brasileiro, no entanto, ainda é maior. Os dados mostram que um homem ganha em média R$ 1.522 por mês, enquanto uma mulher recebe R$ 1.123. Quando comparados por área de atuação, os salários das mulheres também são sempre menores.

Reunião do Núcleo Guarapari

Olá!

No dia 29/10/2014 nos reunimos mais uma vez para continuarmos nossa organização e inciarmos nosso planejamento 2015. Fizemos uma proposta de programação de estudo, que será levada para a assembléia anual do CEBI-ES, nos dias 05, 06 e 07 de dezembro de 2014, para avaliação e aprovação. Nossa intenção é iniciarmos a formação a passos curtos, mas de forma contínua.

Nossa próxima reunião ficou agendada para dia 11/12/14, 19:30, na Comunidade Luterana. Abraço e até lá!

Brasil sai do mapa mundial da fome: FAO

O Brasil reduziu em 82% a população considerada em situação de subalimentação entre 2002 e 2013, e deixou o mapa mundial da Fome.
Os dados foram apresentados hoje pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). 
O País foi citado como caso de sucesso no esforço mundial pela redução da fome. Segundo a entidade, agora 1,7% da população brasileira (3,4 milhões de pessoas) permanece em situação de insegurança alimentar. O índice abaixo dos 5% aponta o fim da fome estrutural no País.

O Programa Fome Zero, que colocou a segurança alimentar no centro da agenda política, foi o que possibilitou ao País atingir a redução, incluída entre os Objetivos do Milênio da ONU, aponta o estudo.

O levantamento também cita os programas de erradicação da extrema pobreza, a agricultura familiar e as redes de proteção social como medidas de inclusão social no País.

Os movimentos populares se encontram com o Papa

Em culminância ao encontro do Papa Francisco, na esquina da “Aula Vecchia del Sinodo”( local no Vaticano) a segunda jornada de trabalho dos movimentos populares no Vaticano “Terra, Labor, Domus”(Terra, Trabalho e Casa) dedicada à discussão sobre as causas estruturais da exclusão (segundo ação do método latinoamericano do ver, julgar, agir). Essa ação do Papa demonstra o reconhecimento do protagonismo dos pobres, os quais, reforçou, não são somente eles que sofrem injustiça, mas também são eles que lutam contra a injustiça, que não esperam passivamente a ajuda dos organismos internacionais, que não esperam soluções que não chegarão nunca, que não se deixam anestesiar mas reivindicam o seu protagonismo além dos processos de democracia formais. E são os pobres também que experimentam entre eles a solidariedade que grande parte da nossa sociedade esqueceu. Uma solidariedade, continua Papa Francisco, que é vivida em forma de comunidade e que comporta uma luta contra as causas estruturais da pobreza, contra os efeitos destruidores do império do dinheiro. Ou seja, é "um modo de fazer a história", aquilo que constroem os movimentos populares.

"Vocês têm os pés na lama, sabem do pó da estrada, do povo, da luta. Sem vocês, todos os bons propósitos dos discursos oficiais continuam como letras mortas", continuou o Papa, denunciando aquelas estratégias de contenção que fazem aos pobres "serem domesticados e inofensivos". E pelo Movimento do povo, sobretudo do povo pobre e da juventude que se levanta "o vento da promessa que reascende a esperança de um mundo melhor".

Mateus 5,1-12: As bem-aventuranças como caminho de santidade - Ildo Bohn Gass

“Felizes os que são pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (Mt 5,3).

1 Todas as pessoas são chamadas à santidade

Na boa nova das bem-aventuranças, Jesus propõe um caminho de santidade. No mundo católico romano, o dia escolhido para celebrar a vida de todos os santos é 1º de novembro, ao passo que o dia 2 de novembro é um dia especial para fazer memória das pessoas bem-aventuradas e que já se encontram na glória do Pai. Para nós, que ainda temos uma missão a cumprir neste mundo, Jesus propõe um caminho de santidade e que já começa nesta vida. Conforme a comunidade de Mateus, as oito bem-aventuranças são esse caminho. 

Todas as pessoas são chamadas à santidade, a fim de serem felizes. “Sede santos, porque eu, Javé vosso Deus, sou santo” (Levítico 19,2). Mateus faria uma releitura desse chamado da seguinte forma: “Sede perfeitos, como o Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). Coerente com sua experiência com o Deus compassivo, Lucas formula assim o mesmo convite: “Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso” (Lc 6,36).

Mateus 22.23-33: A vida não acaba na morte - Martin Volkmann

Mt 22.23-33 faz parte do conjunto que relata a presença e atuação de Jesus em Jerusalém, antes de sua execução. Esta presença está marcada pelo confronto direto com as autoridades judaicas. Este confronto é caracterizado pelo evangelista por meio das controvérsias de Jesus com as autoridades, acrescidas de algumas parábolas (21.23-22.46) e das orientações aos seus seguidores com relação à postura e posicionamento dessas autoridades (23).

Enquanto a maior parte das controvérsias e acusações de Jesus se referem aos fariseus e aos escribas de orientação farisaica, esta passagem é a única em que se tematiza a teologia saducéia. Nos versículos precedentes (15-22), na questão do tributo, os fariseus procuram comprometer Jesus com a tendência zelota. Em contrapartida, em nossa passagem, os saduceus visam a colocar Jesus nas trincheiras farisaicas, uma vez que a questão da ressurreição é um dos pontos controversos entre ambos.

A negação da ressurreição é uma das poucas coisas que o NT nos informa sobre os saduceus (At 4.2; 23.6,8; cf. também l Co 15.12). Tal concepção baseia-se em sua compreensão da lei e da Escritura: da lei fazem parte apenas as leis escritas, assim como estão codificadas no Pentateuco. Toda a tradição oral, como interpretação e complementação da lei escrita que passou a ter caráter igualmente normativo para os fariseus, é rejeitada pelos saduceus. Lei é apenas a lei escrita. A tradição oral não pode ter o mesmo valor de Escritura Sagrada como a lei escrita.

Salvou 600 crianças do nazismo: prêmio

Um homem que salvou mais de 600 crianças dos nazistas, no início da Segunda Guerra Mundial, foi condecorado esta semana na República Tcheca com a mais alta honraria do país – a Ordem do Leão Branco.

O inglês Nicholas Winton, de 105 anos, tinha apenas 29 anos em 1939, quando conseguiu oito trens para levar 669 crianças – a maioria delas judias – da Tchecoslováquia quando eclodiu a Guerra. 

Elas foram conduzidas para a Inglaterra e para a Suécia, onde ficaram livres das ações dos nazistas.

76 anos depois, o britânico participou de uma cerimônia no Castelo de Praga, onde recebeu o prêmio.
Em seu discurso, ele agradeceu aos britânicos que aceitaram receber as crianças em suas casas.

Carta Aberta da Comissão Pastoral da Terra à presidenta Dilma Rousseff

O presidente da CPT, Dom Enemésio Lazzaris, assina Carta enviada pela Pastoral da Terra à presidenta Dilma Rousseff, em que destaca que "os conflitos e a violência, inclusive com assassinatos de camponeses e camponesas, 130 no seu governo, conforme os dados registrados pela CPT, acobertados pela impunidade, só tenderão a crescer se se mantiverem a inoperância e a corrupção em muitos órgãos governamentais, ao par do que fazem ou deixam de fazer o Legislativo e o Judiciário". Confira o documento na íntegra:



Para a Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff

Excelentíssima Senhora,

A Comissão Pastoral da Terra, CPT, reunida em Conselho Nacional, em Luziânia-GO, entre 27 e 29 de outubro de 2014, dirige-se respeitosamente a V. Excia. para, em primeiro lugar, parabenizá-la pela reeleição e desejar-lhe um novo mandato profícuo e benéfico para toda a nação brasileira, de modo especial para os menos favorecidos, já que foram estes a maioria dos que a reelegeram. Por isso merecem uma atenção toda especial de sua parte.

Papa Francisco: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos”

“Digamos juntos, de coração: nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos, nenhuma pessoa sem a dignidade que o trabalho dá”, declarou, perante trabalhadores precários e da economia informal, migrantes, indígenas, sem-terra e pessoas que perderam a sua habitação.

O encontro é promovido até hoje pelo Conselho Pontifício Justiça e Paz (Santa Sé), em colaboração com a Academia Pontifícia das Ciências Sociais.

“Não existe pior pobreza material do que aquela que não permite ganhar o pão e priva da dignidade do trabalho. O desemprego juvenil, a informalidade e a falta de direitos laborais não são inevitáveis, são o resultado de opção social prévia, de um sistema econômico que coloca os lucros acima do homem”, defendeu o Papa.

Agricultores familiares são os principais agentes para erradicação da fome

Famílias produtoras de alimento são agentes decisivos de mudança na busca por segurança alimentar sustentável e na erradicação da fome mundial no futuro. Segundo informe recente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), nove em cada 10 dos 570 milhões de cultivos agrícolas são geridos por famílias, figurando estas como o elemento predominante do setor.

A organização aponta que os cultivos agrícolas familiares produzem em torno de 80% dos alimentos do planeta e correspondem a 75% de todos os recursos agrícolas mundiais, figurando como chaves para melhorar a sustentabilidade ecológica e de recursos naturais. De acordo com o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, essa produção predominante é vital para solucionar a fome que aflige mais de 800 milhões de pessoas no Globo.

Os direitos da juventude para além das urnas: Nota da Rede Ecumênica da Juventude sobre o pós-eleição presidencial

Nós, da Rede Ecumênica da Juventude – REJU, saudamos a reeleição da Presidenta Dilma Rousseff! Seu passado, de luta como jovem guerrilheira no enfrentamento à ditadura civil-militar, se encontra com o nosso presente, de luta por mais direitos e em defesa das juventudes, construindo, no ontem e no hoje, a participação popular e juvenil e o fortalecimento da democracia.

Dilma Rousseff foi reeleita com 51,64% dos votos em todo o país, numa das eleições mais acirradas e disputadas da nossa história. Isso nos faz lembrar que o processo democrático exige de nós profundo respeito com o “espírito da democracia”, ou seja, que se faz imperativo compreender que as diferenças de pensamentos e posições políticas estão naturalmente presentes em um país com tamanha extensão e diversidade cultural como o Brasil. Considerando as particularidades regionais, étnicas e ideológicas, é necessário que percebamos neste pós-eleição que venceu a vontade do povo, expressa em mais de 54 milhões de votos, de eleitorxs de todo país, das suas diferentes regiões e classes sociais.

Há candidatos que prestam? - Mauricio Abdalla

É comum depararmos com a afirmação de que “as eleições definem o destino do país”. Isso é verdade apenas em parte. O processo eleitoral é somente uma parte da política. O verdadeiro destino do país é decidido na capacidade da sociedade civil de se organizar em movimentos e entidades fortes, capazes de apresentar propostas de políticas públicas que beneficiem permanentemente a maioria da população e para os problemas gerais como meio ambiente, direitos humanos, mobilidade urbana, política econômica, etc. Não apenas de apresentá-las, mas de se constituir em força política suficiente para que tais propostas se transformem em leis e ações permanentes de governo. É apenas nessa última questão que o processo eleitoral adquire sua importância.

Não votamos para que os problemas do país sejam resolvidos pelos candidatos “mais bem preparados”. O que se precisa pensar é na capacidade desses candidatos para serem a expressão institucional (nos poderes do Estado) das demandas da sociedade civil. E isso inclui tanto um programa de governo claro e amplo como a integração com as lutas dos movimentos sociais e identificação com os clamores dos mais pobres e das populações que têm seus direitos negados.

Dilma reeleita. Mas nosso voto não é um cheque em branco.

Tendo em vista o resultado das eleições presidenciais realizadas na data de hoje, o CEBI expressa publicamente:
- seu respeito à opinião de cada brasileiro e cada brasileira;
- seu compromisso com a necessidade do fortalecimento da democracia;
- seu compromisso de continuar cobrando as mudanças estruturais de que o Brasil necessita, entre as quais se destacam: a reforma política, a reforma agrária, o respeito aos direitos dos povos indígenas e quilombolas, a auditoria das dívidas externa e interna e o imposto progressivo sobre grandes fortunas.

Transcrevemos a seguir o artigo de Ivo Lesbaupin. 

O dilema que se colocava para o segundo turno não era se devíamos votar em Aécio ou em Dilma. É evidente que não queremos a volta das políticas neoliberais "puras", como as que o PSDB defende: Estado mínimo, privatização de estatais e de serviços públicos, desinvestimento em saúde e educação públicas, priorização dos interesses do capital financeiro. Estamos lutando contra estas políticas desde 1994. Temos de reconhecer que os governos do PT – Lula e Dilma – revalorizaram o Estado, fizeram um pouco mais de investimento em saúde e e educação, aumentaram o salário-mínimo acima da inflação e investiram em programas de transferência de renda para as camadas extremamente pobres. Do que resultou melhoria evidente das condições de vida das classes populares. Então, se compararmos os dois projetos, a balança positiva pende para o lado dos governos do PT.

O clamor dos indígenas que precisamos ainda ouvir - Leonardo Boff

A causa indígena nunca foi resolvida no Brasil. A toda hora se ouvem invasões de terras indígenas para dar lugar ao agronegócio. Homologação de suas terras são proteladas. E há assassinatos e suicídios misteriosos entre os guarani.

Não obstante, deram-se alguns avanços que cabe reconhecer como a demarcação e homologação em área contínua da terra Yanomami contra a pressão de meia dúzia de arrozeiros, apoiados pelo latifúndio pelo agronegócio; a devolução da terra indígena xavante Marãiwatsédé na Prelazia de São Felix do Araguaia, de onde haviam sido arrancados à força há 40 anos atrás. A mesma coisa não ocorreu com a terra dos Guarani Kaiowá, Guyraroka, que o STF com os votos dos ministros Celso Mello e Carmen Lúcia rejeitaram o voto de relator do processo o ministro Ricardo Lewandoski. Em nenhum momento a comunidade indígena foi consultada e o latifundiário que as ocupou, ganhou o direito sobre os 12 mil hecatares das terras tradicionais.

A urgência de refundar a ética e a moral - Leonardo Boff

Uma das demandas maiores atualmente nos grupos, nas escolas, nas universidades, nas empresas, nos seminários de distinta ordem é a questão da ética. As solicitações que mais recebo são exatamente para abordar este tema.

Hoje ele é especialmente difícil, pois não podemos impor a toda a humanidade a ética elaborada pelo Ocidente na esteira dos grandes mestres como Aristóteles, Tomás de Aquino, Kant e Habermas. No encontro das culturas pela globalização somos confrontados com outros paradigmas de ética. Como encontrar para além das diversidades, um consenso ético mínimo, válido para todos? A saída é buscar na própria essência humana, da qual todos são portadores, o seu fundamento: como nos devemos nos relacionar entre nós seres pessoais e sociais, com a natureza e com a Mãe Terra. A ética é da ordem prática, embora se embase numa visão teoricamente bem fundada. Se não agirmos nos limites de um consenso mínimo em questões éticas, podemos produzir catástrofes sócio-ambientais de magnitude nunca antes vista.

Mateus 22,34-40: Qual é o mandamento maior da lei? - Ildo Bohn Gass

1 Os poderosos armam ciladas contra quem está com o povo

No evangelho para este final de semana, a comunidade de Mateus apresenta-nos Jesus ensinando o mandamento maior no templo de Jerusalém (cf. Mateus 21,23; 24,1). Auxiliado pela sinagoga, o templo era o pilar de um sistema que garantia o ensino e o cumprimento das leis, bem como a aplicação das penas para quem não as cumprisse. 

Nesse templo, mais uma vez, alguns fariseus procuram Jesus para “pô-lo à prova” (Mateus 22,35). Assim já haviam feito ao armarem, junto com herodianos, uma cilada em torno do pagamento dos impostos aos imperadores de Roma, a fim de “apanhá-lo por alguma palavra” (Mateus 22,15). Este relato foi o evangelho do domingo passado, quando, tanto representantes da religião oficial de Jesus (fariseus) bem como do império romano (partidários de Herodes), já haviam se dado conta de quanto o projeto de Jesus era perigoso para os seus privilégios. Ainda mais depois que Jesus também “fechara a boca dos saduceus” (Mateus 22,34). Os saduceus compunham o partido judaico mais poderoso naquele momento. Eles juntavam os que controlavam a religião a partir do templo, os sacerdotes, e os que detinham o poder sobre o comércio em Jerusalém, os anciãos. Hoje, diríamos que é o partido do capital financeiro com apoio da grande mídia empresarial.

Os mistérios da morte - Edebrande Cavalieri

Os tempos modernos, marcados pelo desejo de posse, de conquista e de acumulação capitalista, transformaram o tema da morte em grande fracasso, uma derrota. Nós mesmos somos induzidos a não pensar na morte por acreditarmos que sejamos imortais. Somos convencidos a acreditar que todo o progresso e nossa acumulação nos acompanharão para sempre. Cresce a cada dia a prática cirúrgica (plástica) da retirada dos sinais de envelhecimento que vão surgindo no corpo humano.

Então, pensar na possibilidade da morte nos causa grande horror e medo; a nossa morte torna-se tema a ser evitado nas conversas e nos pensamentos. Mas a morte do outro, principalmente daqueles excluídos dos bens da acumulação, torna-se algo banalizado. Muitas vezes, a morte de um cachorro causa mais comoção do que a morte de uma pessoa. Queremos ao máximo uma morte digna para nós mesmos e nossos entes queridos. Porém, a morte daqueles que foram ceifados pela fome, pela violência, pela miséria, parece não nos tocar em termos de preocupação.

ACT Aliança: chamado ao compromisso marca abertura da assembleia geral

A II Assembleia Geral da aliança global cristã para ajuda humanitária, apoio ao desenvolvimento e incidência foi aberta em Punta Cana, República Dominicana, no dia 21 de outubro, com um chamado ao fortalecimento do compromisso por uma colaboração mais efetiva levando em conta as mudanças nos contextos em que os membros de ACT implementam suas iniciativas.

O primeiro dia da Assembleia ofecereu aos participantes a oportunidade de conhecer os progressos alcançados até agora e discutir as lições aprendidas ao longo dos primeiros quatro anos de ACT Aliança.

A pauta da sessão de abertura incluiu discursos da moderadora de ACT Aliança, Rev. Cornelia Füllkrug-Weitzel, do secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas, Rev. Olav Fykse Tveit, do representante do governo da República Dominicana, Rev. Elvis Samuel Medina, e do Sr. Lorenzo Mota King, coordenador do comitê organizador local e secretário executivo do Serviço Social de Igrejas Dominicanas.

Outubro Rosa - 17 mil mulheres sensibilizadas

O mês de outubro é mundialmente caracterizado pelo apelo e conscientização de mulheres e da sociedade sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama. Cerca de 30 mil colaboradores do Brasil Marista, por meio da UMBRASIL (União Marista do Brasil), foram mobilizados para refletir sobre a importância do diagnóstico precoce.

Hoje, em todas as instituições maristas do Brasil, aproximadamente 17 mil mulheres desempenham os mais diversos papeis à frente da missão da instituição e, também, são maioria dos cargos de chefia. Para tal, a UMBRASIL abraça a campanha para se somar a milhares de vozes que convergem para o cuidado das mulheres.

“Apesar de nos juntarmos para garantir que essa mensagem seja eficaz em nossa sociedade, verifica-se que não só a conscientização é necessária, mas, também, lutar para garantir que todas as mulheres tenham atendimento gratuito de diagnóstico e tratamento na rede pública de saúde. Também reafirmamos o compromisso que instituições e empresas devem assumir em disponibilizar um dia para que as mulheres possam cuidar da própria saúde”, afirmou a coordenadora da área de Representação Institucional da UMBRASIL, Leila Paiva.

“O Cerrado está extinto e isso leva ao fim dos rios e dos reservatórios de água” - Entrevista Altair Sales Barbosa

Uma das maiores autoridades sobre o tema, professor da PUC Goiás diz que destruição do bioma é irreversível e que isso compromete o abastecimento potável em todo o País

Uma ilha ambiental em meio à metrópole está no Campus 2 da Pon­tifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás). É lá o local onde Altair Sales Barbosa idealizou e realizou uma obra que se tornou ponto turístico da capital: o Memorial do Cerrado, eleito em 2008 o local mais bonito de Goiânia e um dos projetos do Instituto do Trópico Subúmido (ITS), dirigido pelo professor.

Foi lá que Altair, um dos mais profundos conhecedores do bioma Cerrado, recebeu a equipe do Jornal Opção. Como professor e pesquisador, tem graduação em Antropologia pela Universidade Católica do Chile e doutorado em Arqueologia Pré-Histórica pelo Museu Nacional de História Natural, em Washington (EUA). Mais do que isso, tem vivência do conhecimento que conduz.

É justamente pela força da ciência que ele dá a notícia que não queria: na prática o Cerrado já está extinto como bioma. E, como reza o dito popular, notícia ruim não vem sozinha, antes de recuperar o fôlego para absorver o impacto de habitar um ecossistema que já não existe, outra afirmação produz perplexidade: a devastação do Cer­rado vai produzir também o desaparecimento dos reservatórios de água, localizados no Cerrado, o que já vem ocorrendo — a crise de a­bastecimento em São Paulo foi só o início do problema. Os sinais dos tempos indicam já o começo do período sombrio: “Enquanto se es­tá na fartura, você é capaz de re­partir um copo d’água com o ir­mão; mas, no dia da penúria, ninguém repartirá”, sentencia o professor.

“Memorial do Cerrado” – o nome deste espaço de preservação criado pelo sr. aqui no Campus 2 da PUC Goiás, é uma expressão pomposa. Mas, tendo em vista o que vivemos hoje, é algo quase que tristemente profético. O Cerrado está mesmo em vias de extinção?

Olhares sobre a Amazônia: Dossiê Acre - por Lucas Matheron

"Aqueles que vendem sol a prestações, os coqueiros, os palácios, a areia branca, nunca virão por aqui [...]. Aqui não tem nada!" 

Quando Bernard Lavilliers falava assim do Brasil, há mais de 30 anos, ele falava da região central do Nordeste chamada Sertão. Mas o olhar sobre a Amazônia que lhes proponho aqui, tampouco está à venda pelos mercadores de sol... 

Mas primeiramente, o que o Sertão tem a ver com a Amazônia? 

Pois é nessa região semiárida perpetuamente castigada por longos períodos de seca - mal que os políticos nunca deram jeito de solucionar duravelmente - que se encontra mão de obra barata para as mais diversas finalidades. As grandes construções dos últimos cinquenta anos no Rio, Iguaçu, São Paulo ou Brasília, notadamente, deslocaram milhares de Nordestinos, mas essa reserva de mão de obra já tem sido utilizada no século XIX para o desenvolvimento da produção de látex e foi aos milhares que esses trabalhadores foram mandados colonizar a Amazônia, tal um eldorado para essas pessoas carentes de tudo. 

Estudo sobre a CF 2015

Olá!

Nos encontramos na sala do CEBI (20/10/14) para um primeiro estudo sobre a CF 2015, que tem como tema "Fraternidade: Igreja e Sociedade" e lema "Eu vim para servir" (Cf. Mc 10, 45). O tema é muito desafiador para nós do CEBI e, com certeza, para todas as comunidades Católicas Romanas do Brasil e do Espírito Santo.

Esses estudos são preparatórios para elaborarmos os círculos bíblicos, que ajudarão às Comunidades da Arquidiocese de Vitória a refletir o assunto no período de Quaresma.

Clique aqui e veja as demais fotos.

Estudo do Evangelho da Com. de Mateus em Vila Capixaba, Cariacica.

Olá!

O último encontro de estudo do Evangelho da Comunidade de Mateus na Paróquia Santíssima Trindade aconteceu no sábado, dia 11/10/2014. Foi bem proveitoso, participativo e dinâmico. Os textos bíblicos foram trabalhados em pequenos grupos que discutiram algumas questões que foram propostas e apresentaram a síntese das discussões, além de algumas ricas encenações do texto lido. O CEBI-ES enviou  Ivonete, Ir. Luiza e Bimbo para ajudarem na reflexão.

Clique aqui e vejas as fotos.

Estudo indica que países precisam investir na agricultura familiar

As propriedades familiares são parte importante na luta para garantir a segurança alimentar mundial e o desenvolvimento rural sustentável. Para isso, porém, é preciso investir em inovação a fim de melhorar a produção e as práticas de gestão com o objetivo de mudar a realidade de muitos desses agricultores. Esses dois aspectos foram os pontos analisados no relatório O estado mundial da agricultura e da alimentação, 2014: inovação na agricultura familiar, produzido pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e publicado hoje (16), no Dia Mundial da Alimentação.

“A agricultura familiar é, de longe, a forma dominante de agricultura no mundo. Estima-se que ocupe cerca de 70% a 80% das terras agrícolas e produza mais do que 80% dos alimentos no mundo em termos de valor”, ressalta o estudo.

Debate eleitoreiro sobre redução da maioridade: entidades são contra

Em período eleitoral, o tema da redução da maioridade penal tem sido, comumente, utilizado por candidatos como alternativa para solucionar o problema da violência no país. Contrários a estes discursos, 104 organizações lançaram nesta quinta-feira, 16, um manifesto onde repudiam a ação destes candidatos.

No documento, as organizações ressaltam alguns pontos importantes para o debate, destacando que a redução da maioridade penal é um retrocesso para os direitos humanos de crianças e adolescentes.

“Infelizmente, constata-se que, ao flexibilizar garantias que protegem estes adolescentes em situação de vulnerabilidade, sob o argumento de que cometem crimes muito graves, os candidatos apenas saciam a ânsia punitivista que demanda, de maneira irracional, o isolamento desses sujeitos. Tal proposta afasta-se dos princípios norteadores do ECA – Estatuto da Criança e Adolescente, em termos de proteção à adolescência, ao buscar punir cada vez mais adolescentes em situação de conflito com a lei, acreditando ser esta a solução para os problemas da criminalidade”.

As organizações acreditam que os candidatos deveriam se comprometer em garantir a efetivação, implementação e aplicação do ECA e SINASE – Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. “Nos parece muito mais sensato, na tentativa de aliar senso de justiça ao interesse social – palavras tão utilizadas por candidatos –, propostas que garantissem efetivamente a implementação e aplicação do ECA e do SINASE em todo o território nacional, sendo possível, assim, falar-se em soluções que implicam, essas sim, redução da violência e criminalidade – parte integrante da vida de todos os jovens selecionados por esse sistema de sociabilidade perverso. Ocorre que, ao relacionar de maneira superficial justiça social e segurança pública, os candidatos parecem desconhecer a realidade do cotidiano do Sistema de Justiça Juvenil no Brasil”.

A nota está aberta para mais adesões.

Nota de repúdio a declarações de juiz de direito do RS

Diversas organizações da sociedade civil, incluindo a Fundação Luterana de Diaconia (FLD), estão aderindo à Nota de Repúdio liberada no dia 15 de agosto pela Themis - Gênero, Justiça e Direitos Humanos - contra as declarações de juiz de direito de Porto Alegre, que relaxou prisão em flagrante de uma pessoa acusada de estupro de uma adolescente. Leia abaixo: 

A organização da sociedade civil Themis - Gênero, Justiça e Direitos Humanos, vem a público manifestar o seu repúdio às lamentáveis declarações do Juiz de Direito Paulo Augusto Oliveira Irion, da 6ª Vara Criminal de Porto Alegre, que, no dia 14 de outubro, relaxou a prisão em flagrante de um indivíduo acusado de estupro de uma adolescente de 16 anos, ocorrido no último domingo. Segundo o noticiado pela imprensa, a decisão foi tomada com base no fato de o acusado ser réu primário. Justificando a decisão, o juiz declarou que o acusado não teria antecedentes criminais e o estupro seria um fato isolado na vida dele.

Em apoio à reeleição de Dilma: Nota da Direção Nacional do CEBI

Em face do embate que se coloca neste segundo turno das eleições presidenciais e levando em conta a necessidade de nos engajarmos para garantir os avanços que a sociedade brasileira vive nos últimos anos, a Direção Nacional do Centro de Estudos Bíblicos - CEBI vem a público expressar sua opinião em favor da reeleição de DILMA ROUSSEF.

Mesmo reconhecendo os limites do atual governo e do sistema político brasileiro, temos de reconhecer publicamente que nos últimos doze anos houve diminuição da fome e da miséria, valorização do salário mínimo, extensão dos direitos trabalhistas básicos às empregadas e aos empregados domésticos e melhoria nas condições de vida da população mais carente em todas as partes do Brasil, especialmente nas localidades mais pobres. O acesso de milhões de jovens empobrecidos ao ensino técnico e superior e a extraordinária ampliação do financiamento de moradias populares em todo o Brasil também devem ser mencionados, junto com o compromisso da presidenta atual com a realização da reforma política nos moldes pretendidos pela Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas.

Visão geral do 2º Testamento na União Paroquial Jucu da IECLB

Nos encontramos no dia 11 de outubro, na comunidade de Ponto alto, da Paróquia Luterana de Marechal Floriano para mais uma etapa de estudo bíblico. Foi o 5º encontro e o encerramento das atividades do ano de 2014, dedicado a um estudo do Segundo Testamento, com orientadores/as do ensino confirmatório. Na parte da manhã tivemos o 3º encontro com os ministros.

Neste encontro o assunto foi Apocalipse. E para dar o significado deste livro o grupo foi motivado, desde o início, a ficar atento às diferentes linguagens. O estudo foi muito bom e motivou o grupo a solicitar para o próximo ano um aprofundamento deste livro, ou melhor, da linguagem apocalíptica. 

Encerramos o encontro e os estudos de 2014 celebrando a esperança: “Esta é a tenda de Deus com os seres humanos. Deus vai morar com eles. Eles serão o seu povo, e ele, o Deus-com-eles, será o seu Deus.” (Ap 21, 3b). 

Clique aqui e veja as fotos desse encontro.

Encontro de formação de lideranças com jovens da IECLB, em Vila Valério

Aconteceu nos dias 20 e 21 de setembro de 2014, em Vila Valério – ES, um encontro de formação de lideranças com jovens da Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil. 

Este encontro contou com a presença e participação de 51 jovens e dois 02 pastores e foi trabalhado o tema estudado foi “A Linguagem Apocalíptica e Apocalipse de João”. Estiveram presentes jovens de várias cidades do Estado do Espírito Santo: Domingos Martins, Marechal Floriano, Vila Valério, Itaguaçu, Jaguaré, Vila Velha, Santa Maria de Jetibá. Foi um encontro extremamente agradável e, para o CEBI – ES, foi muito importante, pois o trabalho teve como público justamente uma das linhas de ação que o CEBI-ES pretende sempre avançar, que é a juventude.

O tema trabalhado prendeu muito a atenção e participação de todos, inclusive dos pastores Scharles, de Domingos Martins, e Edilson, de Vila Valério. A Equipe de Assessoria composta por Bimbo, Davi e Marina agradece a todos que participantes e também ao CEBI-ES por ter disponibilizado os meios e apoios necessários para que o encontro pudesse acontecer.

Clique aqui e veja as demais fotos desse encontro.

O DNJ para a Pastoral da Juventude - Aline Ogliari

Nos passos de Jesus e renovando seu compromisso com a vida da juventude, como Igreja Jovem, a Pastoral da Juventude participa da realização do Dia Nacional da Juventude 2014, que será celebrada na maior parte das dioceses no próximo domingo (19 de outubro).

A PJ assume e vive o Dia Nacional da Juventude desde sua criação, na década de oitenta, e provoca que o DNJ tenha sempre um caráter celebrativo, processual, formativo, convocatório e de compromisso. Com o DNJ, a PJ celebra a caminhada dos grupos de jovens da Diocese e a vida da juventude, e aproveita para que a atividade tenha um caráter de convocar e nuclear novos grupos de jovens. Celebra também, na Eucaristia, a vida, paixão, morte e ressurreição de Jesus, renovando nos jovens o seguimento ao Mestre, sua pertença eclesial e seu compromisso de contribuir na construção da Civilização do Amor. Logo, o DNJ não é apenas um evento isolado, e sim é parte do processo de educação na fé que a Pastoral da Juventude realiza com os/as jovens.

Mt 22,15-22: O que é de César a César... O que é mesmo de César? - Edmilson Schinelo

Um plano bem armado: fazer Jesus cair na armadilha de suas próprias palavras! A cilada é introduzida por um elogio que é, ao mesmo tempo, reconhecimento de integridade: "Mestre, sabemos que és verdadeiro, que ensinas o caminho de Deus... que não consideras as pessoas pela aparência..." (v. 16). Depois do elogio, a pergunta: "É lícito ou não pagar o imposto a César?"

Em caso de resposta afirmativa, toda a pregação de Jesus cairia por terra diante do povo. A ocupação romana era o que havia de mais explorador, a transferência de impostos para Roma era elemento provocador de miséria e fome. Além disso, do ponto de vista religioso, pagar o imposto significava aceitar o culto ao imperador. Na própria moeda, podia-se ler: Tibério César, Filho do Divino Augusto. Por isso, os fariseus e a maioria do povo se opunham ao pagamento.

Por outro lado, se Jesus responde que não se deve pagar o tributo, é apanhado em atitude aberta de afronta ao império. Os próprios herodianos, favoráveis ao pagamento do tributo e a serviço dos romanos, ali estavam para o flagrante.

A resposta de Jesus desmascara qualquer religião fetichista e legitimadora do sistema, seja a divulgada pela propaganda imperialista, seja a alimentada pelas autoridades judaicas (no texto, representadas pelos fariseus). É possível que Jesus tenha tocado no coração do sistema religioso romano: o lucro proveniente da cobrança do tributo imposta às províncias conquistadas por Roma. Ao questionar o caráter divino do imperador, todo culto a ele prestado (leia-se: submissão, oferenda e pagamento do tributo) está deslegitimado.

3º Encontro com as Juventudes

Olá! Faremos mais um encontro neste ano e você está convocado! Chega mais. O espaço é seu! Clique aqui e veja como foi os dois últimos encontros. Nos vemos lá!

Que o ódio passe e o amor permaneça!

Nós, jovens de diferentes religiões e comunidades de fé, defendemos uma sociedade plural, livre do ódio e que respeite todas as formas de amor.

Somos uma juventude incomodada, nascida em meio ao processo de redemocratização brasileira e escolhemos lutar por um Brasil mais justo e plural.

Incentivamos o diálogo, a leitura, a busca por compreensão, os diferentes pontos de vista.

Nos últimos dias, nossas vidas tem se alternado entre momentos de alegria e de apreensão: alegria por conquistas efetivas para a população jovem como o Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto da Juventude, Estatuto da Igualdade Racial; de apreensão, pelo discurso do ‘que há de vir’, pela promessa de alteração e endurecimento de leis, pela homo-lesbo-transfobia, pela criminalização das juventudes, em especial, a negra, pobre e das periferias.

A decisão por uma candidata, um candidato ou partido é uma escolha individual; lembre-se que isso implica em medidas, políticas públicas, decretos e propostas de leis que podem alterar significativamente a qualidade de vida de toda a população brasileira.

O DNJ e a Pastoral da Juventude Estudantil - Iago Rodrigues Ervanovite

O Dia Nacional da Juventude surgiu em 1985 durante o Ano Internacional da Juventude, promovido pela Organização das Nações Unidas. Inicialmente, a organização de um subsídio de estudos e celebração era de responsabilidade e animação das Pastorais da Juventude do Brasil (PJ, PJE, PJMP e PJR).

Sendo um importante evento para toda a juventude católica, o projeto foi, posteriormente, abraçado por todas as outras expressões de juventude.

Assim, deixou-se de celebrar o DNJ como um acontecimento isolado, em uma ilha, passando a fazer parte de todo um processo de conscientização das juventudes, cujo caminho se inicia em meados de abril, com as Jornadas Diocesanas da Juventude (JDJ), e se finaliza com esta grande celebração, em outubro.

Shalom! Chegou o DNJ 2014 - Diogo Victor Rocha

Cada vez mais o Dia Nacional da Juventude tem assumido e dado forma e rosto a um grande lema e objetivo da juventude no Brasil: “unidade na diversidade” !

O DNJ é um grande tesouro que os nossos irmãos das pastorais das juventudes tem dado para a igreja no Brasil, em seus diversos carismas e realidades, de fato faça uma opção “efetiva e afetiva” pelos jovens, e, além disso, buscar mobilizar a toda sociedade e gestores públicos para as alegrias e desafios da juventude.

O DNJ não é apenas um evento, um momento, mas um processo continuo de formação e celebração. Ele tem também levado as novas comunidades a descobrirem a riqueza da igreja que é a sua catolicidade, a sua diversidade de carismas, por esse motivo o DNJ é um grandioso projeto de formação e evangelização, pois ele nos anima ao acolhimento, a sairmos dos nossos grupos e ir ao encontro dos nossos diversos irmãos de outras expressões, e essa soma, esse unidade gera o grande fruto do DNJ: nós jovens diferentes na nossa maneira de viver e expressar o ser igreja de Jesus Cristo, mas unidos no nossos desejo de felicidade e serviço a humanidade e a igreja.

Cada diocese tem passos diferentes, mas no geral temos visto as novas comunidades se engajando, aprendendo e contribuindo em um projeto (DNJ) que tem muito a ensinar a qualquer expressão da igreja que deseje não apenas trabalhar para os jovens, mas ter os jovens como parte integrante de todas as realidades e processos comunitários. Sim, o que se vive no DNJ é uma verdadeira escola de nova evangelização, porque construir e realizar o DNJ como ele deve ser pressupõe abertura ao diferente, soma de bons talentos a serviço da formação e evangelização.

Mulheres sacerdotisas - Marlusse Pestana Daher

Este artigo foi escrito antes do Papa Francisco, que mesmo sendo Papa Francisco, sobre o tema, ainda não quis falar. Mantenho a originalidade, continuo pensando tal e qual. Por enquanto, nada de novo.

Não sem ser seriamente questionada, a Igreja Católica continua a não admitir mulheres à ordenação sacerdotal. Logicamente, muitas têm sido as explicações dadas para tanto. A que mais se ouve é a de que Jesus não teria escolhido mulheres para seu discipulado.

De fato, quem lê os Evangelhos, escritos por homens, não encontra em nenhuma passagem, uma mulher sendo expressamente chamada ao seguimento do Mestre, a exemplo do que fez com os doze. E ainda mais, por que entre aqueles, foi escolhido um, ao qual foi dito, "o que ligares na terra estará ligado no céu" a quem hoje consideramos seu sucessor, o Papa, tem demonstrado de todos os modos que o sacerdócio, na Igreja Católica, não está aberto ao ingresso de mulheres.

Vaticano diz que gays têm 'talentos e qualidades a oferecer' a cristãos

Um documento oficial publicado nesta segunda-feira (13/10) pelo Vaticano diz textualmente que pessoas homossexuais "têm talentos e qualidades a oferecer à comunidade cristã" e indaga se o Catolicismo é capaz de "receber essas pessoas" e "lhes garantir um espaço fraterno".

O documento, que alguns analistas já interpretam como uma significativa mudança de tom no discurso da Igreja Católica, é fruto de mais de uma semana de discussão na assembleia de centenas de bispos e leigos convocada pelo papa Francisco para debater assuntos relacionados à família.

"A nossa comunidade é capaz de aceitar e valorizar sua orientação sexual sem comprometer a doutrina católica sobre a família e o matrimônio?", questiona o texto redigido em meio às dicussões do sínodo, nome pelo qual é conhecido o encontro de bispos.

'Parece que junho de 2013 não aconteceu', diz especialista

Integrante do colegiado de gestão do Instituto de Estudo Econômicos e Sociais (Inesc), José Antonio Moroni avalia que as manifestações de junho de 2013 tiveram pouquíssimo impacto no processo eleitoral, já que as candidaturas que pautavam reformas sociais e democráticas não foram eleitas. O especialista vê com pessimismo a ascensão conservadora no Congresso Nacional e teme estagnação na luta pela conquista de direitos.

“Em relação às eleições, parece que junho de 2013 não aconteceu. As manifestações tiveram pouco impacto no processo eleitoral. Isso porque, ou nosso sistema político é tão rígido que é impermeável a qualquer tipo de manifestação popular, ou por que foi um momento conjuntural que não tinha uma agenda política clara e não foi capaz de tensionar o sistema político”, diz.

Em Brasília, Dilma recebe resultado do plebiscito por uma Constituinte do Sistema Político

Nesta segunda-feira (13), representantes de inúmeras entidades e movimentos sociais se reúnem com a presidenta Dilma Rousseff, às 17h30, no Palácio da Alvorada, em Brasília (DF). O encontro formalizará a entrega, ao Poder Executivo, do resultado do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o Sistema Político. Na ocasião, são esperados centenas de militantes na porta da residência oficial, para um ato político. 

A campanha do Plebiscito Constituinte, que começou há mais de um ano, culminou com a coleta de votos ao longo da semana da pátria (1 a 7 de setembro). Foram contabilizados, ao todo, 7,7 milhões de votos, quase a população de Portugal. Desse total, 97% dos votantes (7,5 milhões) disseram sim à convocação de uma assembleia constituinte para promover a reforma política no país. A mobilização envolveu cerca de 100 mil pessoas e mais de dois mil comitês populares espalhados pelo país.

Um roteiro seguro para nossas águas

“É preciso deixar de lado velhas crenças de que a natureza, sozinha, tudo fará, e num prazo curto – basta que retornem as chuvas, esquecendo-se as situações mencionadas neste artigo e outras. O Brasil tem jeito”, afirma Washington Novaes, jornalista, em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, 10-10-2014.

Eis o artigo.

É preocupante que a maior parte das discussões sobre a crise no abastecimento de água em várias regiões do País continue a admitir – explícita ou implicitamente – que a solução virá, neste fim de ano, apenas com a “normalização” do regime de chuvas, principalmente em São Paulo, Minas Gerais e no Cerrado. Será preciso muito mais.

Vai-se de susto em São Paulo. Pela primeira vez na história, a nascente do Rio São Francisco, na Serra da Canastra (MG), está “completamente seca” – e o rio também quase não recebe mais, ao longo de seus 2.700 quilômetros, água de seus tributários que nascem no Cerrado ou nele estão.

Água: vão evacuar São Paulo? - Roberto Malvezzi (Gogó)

A penúria hídrica nesse momento atinge várias regiões do Brasil. As piores são o São Francisco e a população paulistana, pelo esgotamento do sistema Cantareira.

Os problemas hídricos de hoje, se os levarmos a sério, não apenas do ponto de vista eleitoreiro, é o começo da “vingança da natureza” contra uma civilização predadora. A situação de São Paulo foi construída desde a década de 1950, quando se intensificou o desmatamento em São Paulo e quando a concentração urbana tornou-se um fenômeno alucinante.

A do São Francisco vem desde o século XIX, quando os vapores consumiram toda a madeira que compunha a mata ciliar do Velho Chico.

Malala ganha o Nobel da Paz aos 17 anos

Malala Yousafzai, de 17 anos, é a mais jovem vencedora do prêmio Nobel da Paz.
O prêmio foi anunciado nesta sexta-feira em Oslo, na Noruega.
A menina paquistanesa ficou conhecida depois que foi atacada e baleada pelo Talebã, em 2010, por defender o direito de meninas estudarem. Reveja aqui.

Em sua conta no microblog Twitter, ela disse: "Obrigada por todo apoio e amor".

História de luta
Em Julho de 2103 Malala discursou na ONU e emocionou o mundo ao desafiar o Talebã e defender a educação de meninas, dizendo não vai se curvar aos "terroristas" que pensaram que poderiam silenciá-la. Reveja aqui.

Indiano vencedor do Nobel da Paz dedica prêmio às crianças escravas

O indiano Kailash Satyarthi, defensor dos direitos das crianças, dedicou seu prêmio Nobel da Paz às crianças em condição de escravidão.

Satyarthi e a paquistanesa Malala Yousafzai foram anunciados vencedores do prêmio nesta sexta-feira (10).

"É uma honra para todas as crianças que ainda estão sofrendo com escravidão, trabalho forçado e o tráfico", disse Satyarthi ao canal de notícias CNN-IBN. 

O Comitê Nobel da Noruega destacou seu "grande valor pessoal" que, "na tradição de Gandhi", o levou a liderar protestos e manifestações, todas pacíficas, para denunciar a exploração infantil.

"Contribuiu além disso para o desenvolvimento de grandes convenções internacionais dos direitos das crianças", ressaltou.

Uma protestante batista no Sínodo em Roma

De 4 a 19 de outubro de 2014, a Igreja Católica reúne um Sínodo Extraordinário sobre a família em Roma. Valérie Duval Poujol, teóloga batista e presidente da Comissão Ecumênica da Federação Protestante Francesa, participa dele como delegada fraterna e representa a Aliança Mundial Batista. Esta entrevista foi realizada antes da sua partida.

Poujol leciona ciências bíblicas no Instituto Católico de Paris. Com o marido, Samuel Duval, participou da criação de uma comunidade da Federação Batista em Salinelles. Presidente da Comissão Ecumênica da Federação Protestante Francesa, é membro do Comitê Misto Católico-Batista da França e do Comitê Misto Internacional Metodista-Batista.

A reportagem é de Jane Stranz, publicada no sítio Protestants.org.
A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

A senhora está se preparando para uma viagem a Roma e passará 15 dias no Vaticano no Sínodo Extraordinário sobre a família. Pode nos dizer como é que uma protestante batista vai se encontrar justamente lá?

Peregrinação de justiça e paz inspira comunicadores da América Latina

O tema "peregrinação de justiça e paz" foi o ponto de partida para discussões sobre o futuro da cooperação entre organizações cristãs de comunicação durante um seminário promovido pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

O seminário foi parte da assembleia bianual da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), de 3 a 5 de outubro, em Buenos Aires, Argentina.

O chamado a uma "peregrinação de justiça e paz" foi feito pela X Assembleia do CMI, realizada em Busan, República da Coreia, em 2013.

Fundada em 1994, ALC alcança diariamente cerca de 10.000 leitores/as através de notícias publicadas em três idiomas e das redes sociais. A agência busca, atualmente, novos parceiros para superar severas limitações financeiras que enfrenta. Esta dificuldade foi um dos temas principais da assembleia de ALC. O Rev. Leonardo Daniel Felix, diretor da agência ecumênica, acredita que o seminário foi "uma chance para vislumbrar novas possibilidades de cooperação e melhorar a qualidade dos materiais produzidos pela agência".

“No Sínodo dos Bispos, somos chamados a trabalhar para a vinha do Senhor”

A 3ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos foi iniciada, no último domingo, dia 5, com a missa celebrada na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Na ocasião, o papa Francisco comentou a liturgia do dia, que recorda a imagem da vinha do Senhor, “projeto de Deus para a humanidade”. Ao relacionar com o acontecimento do Sínodo, o pontífice afirmou que os participantes são “chamados a trabalhar na vinha do Senhor”.

De acordo com Francisco, as assembleias sinodais não servem para “para discutir ideias bonitas e originais, nem para ver quem é mais inteligente”, por outro lado tem a função de “cultivar e guardar melhor a vinha do Senhor, para cooperar no seu sonho, no seu projeto de amor a respeito do seu povo”. O cuidado com a família, considerada parte integrante do desígnio de amor para a humanidade, será debatido no encontro a partir do tema “Os desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização”.

Em sua homilia, o papa afirmou que “o sonho do Senhor é o seu povo” e que, assim como as videiras, Ele plantou e cultivou com amor paciente e fiel “para se tornar um povo santo, um povo que produza muitos e bons frutos de justiça”. A vinha inculta e com frutos selvagens encontra sua causa na “ganância de poder e de dinheiro” dos agricultores.

João 2,1-12: Fazei tudo o que ele vos disser - Ildo Bohn Gass

O evangelho a ser refletido na liturgia do próximo final de semana é tradicionalmente conhecido como “as bodas de Caná”. Essa narrativa leva-nos a perguntar sobre o papel da religião, da vivência da aliança entre Deus e as pessoas. É função da religião petrificar o coração humano ou é gerar novas criaturas no amor de Deus?

Situando a narrativa em seu contexto

Diferentemente dos demais, o evangelho segundo João não apresenta Jesus, na sua primeira exposição pública, chamando à adesão ao projeto do Reino (cf. Mateus 4,17; Marcos 1,15) e, na linguagem de Lucas, anunciando a Boa Nova aos pobres (Lucas 4,18-19). Em João, e somente neste evangelho, o 1º sinal que ele realiza acontece num casamento na aldeia de Caná, não muito distante de Nazaré, a terra de Jesus.
Em João, este sinal acontece imediatamente antes da apresentação de Jesus como o verdadeiro templo (João 2,13-22). É que o templo de Jerusalém, como revela a segunda tentação de Jesus no deserto (cf. Mateus 4,5-7), estava mais a serviço do prestígio de comerciantes, cambistas e autoridades religiosas, do que da geração de vida em abundância (João 10,10). Nesse sentido, o sinal de Caná apresenta Deus estabelecendo em Jesus a nova aliança em substituição ao templo que aprisionou a antiga aliança através do ritualismo e da lei, abafando nela a sua função de estar a serviço do Deus da Páscoa libertadora desde o êxodo.

Bancada feminina não consegue ampliar presença no Congresso

Apenas 48 mulheres foram eleitas entre os 513 deputados, menos de 10% dos integrantes da Casa. Número mantém o Brasil entre os países com menor presença feminina no Parlamento

Historicamente sub-representadas no Legislativo Federal, as mulheres não conseguiram ampliar seu espaço nas eleições de 2014. Foram eleitas 51 mulheres para a Câmara, o que representa praticamente 10% do total de integrantes da Casa. No Senado, cinco candidatas se elegeram ontem (5). O número pouco variou em relação a 2010, quando 45 deputadas conseguiram um mandato na Câmara. Naquele ano, 12 ganharam cadeira no Senado, mas o número de vagas em disputa era o dobro das 27 em jogo nesse domingo.

O resultado mantém o Brasil entre os países com menor participação feminina no Parlamento. Em maio, o país aparecia em 129º lugar em uma lista atualizada da União Interparlamentar (UIP) sobre a presença das mulheres no Legislativo. A entidade analisou a situação de 189 países.

O resultado da eleição reforça a tese de que os atuais mecanismos de incentivo, como a cota de 30% para mulheres na composição das chapas, não são suficientes para ampliar a participação feminina nas esferas de poder.

Presença por estado