Espiritualidade para mudar o mundo

Depois da realização de quatro jornadas latino-americanas sobre teologia ocorridas no ano de no México, Guatemala, Bogotá e Santiago, e do Congresso Continental de Teologia, em São Leopoldo, no Brasil, em 2012, um grupo de teólogos e outros estudiosos do tema começaram a pensar na construção de evento que discutisse a espiritualidade da juventude no mundo contemporâneo. Ermanno Allegri, diretor executivo da Adital, conta que, ao final do encontro, quase por brincadeira, ao pararem para tirar uma foto, eles decidiram continuar a se encontrar para debater a relação entre a teologia e o mundo contemporâneo.

Nascia aí o embrião do I Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora, que acontecerá em Fortaleza entre os dias 1º a 04 de maio de 2014, em Fortaleza, Estado no Ceará. Para Allegri, o evento deve proporcionar um momento de mística, discussão e fraternidade, fomentando uma grande expectativa na comunidade teológica brasileira.

A ideia ganhou corpo durante o Encontro dos Teólogos do Emaús, em novembro de 2012, em Correias, no Rio de Janeiro. "Lá, a ideia realmente começou a se materializar. Frei Betto, Leonardo Boff e o Manfredo [Manfredo Oliveira, presidente da Adital] propuseram um encontro sobre espiritualidade para a Adital executar. Seria para todo o Brasil?, observa Allegri. Além da Adital, a coordenação do evento ficou a cargo do Pe. Francisco Aquino Júnior, escritor, e de Afonso Murad, teólogo e professor universitário. A escolha dos palestrantes se deu pelas áreas de interesse do encontro, como ecologia, mulheres, indígenas, mundo do trabalho, juventude, compromisso popular, entre outras As oficinas terão objetos concretos, tendo sido formatadas pelos próprios palestrantes.

Convidar e atrair os jovens para uma espiritualidade atuante talvez seja o principal objetivo do Encontro, mas o diretor da Adital não quer pensar nesses objetivos de forma limitada. "Não queremos propor [objetivos fechados] para não engessar o Encontro. Devemos fazer uma dinâmica no sentido de estimular os grupos de jovens a continuarem a reflexão, a oração e o compromisso concreto, incentivando outros grupos. O objetivo é a multiplicação [...] Vamos trocar ideias para ver como levar a mensagem de Cristo para mudar o mundo, torna-lo mais humano, de paz e solidariedade. Colocar no nosso espírito, o que Jesus coloca no coração da gente, dentro da realidade. Espiritualidade é olhar para onde o espírito está agindo, não só na Igreja.? A expectativa do encontro é receber entre 300 e 400 participantes.

Para Allegri, uma das provas dessa impulsão espiritual vivida pela juventude pôde ser observada durante as manifestações de junho de 2013, quando uma multidão, formada em sua maioria por jovens, ganhou as ruas brasileiras exigindo menos corrupção e uma melhor administração dos recursos públicos. "As manifestações do ano passado foram uma expressão de espiritualidade da juventude, pois os jovens começaram a perceber que faltavam coisas importantes na vida. Uma troca de ideias pode ajudar alguém a crescer, e é o que desejamos para as pessoas.?

Uma das principais preocupações levantadas por Allegri dentro do contexto atual da espiritualidade humana encontra-se, paradoxalmente, no excesso de informação que, apesar de disponíveis como nunca antes na história da humanidade, não encontram a profundidade necessária para se tornar verdadeiramente libertadora. "Tem muita oferta [de informação], o que mostra a necessidade de [a espiritualidade] se realizar no plano da essência da pessoa. Podemos encontrá-la em livros, caderninhos de consumo rápido, todos procurando satisfazer esse desejo. Eu vejo que essa oferta é bastante superficial, para se consolar, ter um pouco de alívio, mas não é suficiente. A espiritualidade deve ser uma motivação profunda que ajuda a descobrir conteúdo não só de consolo espiritual, mas que se dirija a enfrentar os problemas. É algo muito concreto, enxergar o sentido da vida. Queremos suprir essa necessidade que leva os jovens a morrerem por causa da droga, da violência?.

Outro ponto fundamental está na importância da caridade para a autorrealização humana, conceito interpretado muitas vezes de forma diferente do sentido espiritual, conforme explica Allegri: "A caridade é a expressão concreta da espiritualidade. Não é dar esmolas, mas visar à compaixão, sofrer com o outro. Se eu tenho uma espiritualidade, vejo que Deus não quer apenas aquilo [dar esmolas]. A espiritualidade faz a pessoa transformar as situações que não são da vontade de Deus. A caridade é essa transformação [...] A espiritualidade visa à concretude. Deus criou coisas reais?.

Em seu livro A religião na sociedade urbana e pluralista (São Paulo: Paulus, 2013), Manfredo Araújo de Oliveira, presidente da Adital e um dos idealizadores do Encontro, discute um pouco a realidade confusa proporcionada pela revolução dos meios de comunicação neste início de século, de consequências ainda imprevisíveis. "Tudo isso provocou o que se convencionou chamar de ?revolução comunicativa? produzida pelo desenvolvimento dos meios de comunicação de massa. Nas sociedades contemporâneas, esse processo alterou significativamente a comunicação humana e reconfigurou radicalmente os relacionamentos entre as pessoas. Essa é a razão porque nossas sociedades são denominadas sociedades midiáticas, sociedades eletrônicas, da informação, das imagens, do espetáculo. A grande novidade aqui é a possibilidade de transmissão dos conteúdos simbólicos a sujeitos distantes no espaço e no tempo, o que justifica para alguns a afirmação de que o complexo midiático-cultural assume hoje funções de igrejas no campo cultural?.

O novo momento vivido pela Igreja Católica, que vem passando por mudanças com a escolha de um novo Papa, de perfil mais conciliador, faz parte desse contexto de busca por novas formas de espiritualidade vivenciada pelo mundo cristão. Na opinião de Allgrei, "queira ou não [a escolha do novo Papa] está nas discussões sobre espiritualidade. As suas atitudes mostram exatamente aquilo que a igreja latino-americana quer: uma igreja presente, comprometida. Os cardeais da Europa tiveram a coragem de entregar o comando da igreja a um papa latino-americano, talvez esperando que a região apresente algo novo. Esse novo Papa contribui para a espiritualidade, mas estamos apenas no começo de um tempo novo. Muita gente nem percebe a profundidade daquilo que ele propõe. A igreja deve começar a deixar um monte de coisa pra trás. Depois da Exortação do Papa, quantas paróquias começaram a mudar alguma coisa a partir desse documento! Se for só entusiasmo momentâneo, não vai mudar de verdade, mas nossa fé estaria indo no sentido contrário?.

O novo momento espiritual-religioso da comunidade global pode ser percebido nas palavras de Oliveira: "Daí a ambiguidade do fenômeno religioso hoje: de um lado ele parece não suscitar interesse numa sociedade pós-metafísica e pós-religiosa: a religião é interpretada como uma consolação diante dos males e carências da vida humana, mas hoje completamente sem sentido a partir do saber científico e do progresso técnico, hoje hegemônicos, o que significa uma ruptura com a tradição metafísica e teológica. [...] Portanto, não importa a verdade, mas a busca de algo que possa dar sentido à vida individual, corresponda aos sentimentos de cada um e possa satisfazer a suas aspirações?.

Portanto, Allegri espera que o Encontro busque, assim, convergir diferentes pontos de vista, atraindo a juventude para novas formas de se viver a própria espiritualidade.

Fonte: CEBI Nacional


Compartilhe nas Redes Sociais