Pe. José Comblin



Nasceu em Bruxelas, na Bélgica, em 1923. Ordenou-se sacerdote em 1947. É doutor em Teologia pela Universidade Católica de Louvain.
Trabalha na
América Latina desde 1958. Desembarcou em Campinas, estado de São Paulo, onde lecionou Química e Física para o curso colegial. Posteriormente foi assessor da Juventude Operária Católica, tornando-se professor da Escola Teológica dos Dominicanos em São Paulo, tendo como alunos Frei Betto e Frei Tito. Aí permaneceu até 1962. A seguir lecionou na Faculdade de Teologia do Chile até 1965. A convite de D. Hélder Câmara, foi para Recife, onde foi professor do Instituto de Teologia do Recife.
A partir de 1969 esteve à frente da criação de
seminários rurais em Pernambuco e na Paraíba. A metodologia utilizada para os seminários era adaptada ao ambiente social dos seminaristas. Esta experiência lançou as bases para a Teologia da Enxada. Suas idéias o colocaram sob suspeita do regime militar. Foi expulso do Brasil em 1971.
Exilou-se no Chile durante 8 anos, onde também esteve à frente da criação de um seminário em
Talca, em 1978. Em seu livro A Ideologia da Segurança Nacional, publicado em 1977, destrinchou a doutrina que servia de base para os regimes militares na América Latina. Foi expulso por Pinochet em 1980.
De volta ao Brasil, radicou-se em
Serra Redonda (Paraíba), onde fundou um seminário rural e esteve à frente da formação de animadores de comunidades eclesiais de base. A metodologia para os seminários foi aprovada pelo papa Paulo VI. No pontificado de João Paulo II tal metodologia foi desaprovada e por isso, encerrada.
Criou vários movimentos
missionários leigos: Missionários do Campo (1981), Missionárias do Meio Popular (1986), Missionários de Juazeiro da Bahia (1989), na Paraíba (1994) e em Tocantins (1997).

Encontro com o Pe. José Comblin

Encontro com o Teólogo
Pe. José Comblin

CEBI-ES e PAULUS
CONVIDAM

Tema: “Desafios aos Cristãos do século XXI”

Data: 20 de maio (quinta-feira)
Horário: 19hs às 21hs
Local: COLÉGIO AGOSTINIANO – Rua Thiers Veloso, 125,
próximo ao Parque Moscoso – Vitória – ES
Convidados: Leigos/as, Religiosas/os, seminaristas, pastores/as
Inscrições com antecedência e vagas limitadas: R$5,00
Local de Inscrição: Sala do CEBI-ES e Livraria Paulus
Rua Duque de Caxias, 121 – Ed. Juel – sala 206 – Centro – Vitória – ES – 29010120 – tel. (27)3223-0823 e (27)9945-2068 – em cima da Livraria PAULUS

GÊNEROS LITERÁRIOS

Nos primeiros meses deste ano de 2010 nos dedicamos à reflexão sobre a Economia na Bíblia. Percorremos a caminhada do povo de Israel, fazendo algumas paradas para perceber quais modelos de economia foram experimentados por esse povo.
A partir desse mês vamos iniciar uma reflexão sobre os gêneros literários na Bíblia. Será uma introdução ao estudo do livro de Jonas, que pertence ao gênero novela.
Os gêneros literários são tipos de textos que encontramos espalhados por toda a Bíblia. Eles possuem formatos parecidos com intenções, finalidades e contextos bastante próximos. Geralmente estão concentrados em algum grande bloco literário, que podem ser chamados de gêneros maiores.
Os grandes blocos literários – gêneros maiores – podem ser classificados como: história, profecia, apocalípse, lei, salmos, sabedoria, evangelho e cartas.
Dentro desses blocos encontramos uma infinidade de gêneros “menores” que, com sua forma específica, retrata a memória do povo sobre sua caminhada de fé e vida. Vamos conhecer alguns deles:
FÁBULA - é uma narrativa alegórica em prosa ou verso que, em geral tem animais como personagens e uma conclusão de natureza moral. Exemplos: Jz 9 e Nm 22.
NARRATIVAS FAMILIARES (SAGAS) - pequenas histórias que existiram independentes e depois foram costuradas para formar um grande painel. Cada pequena história ou narrativa forma uma perícope ou unidade independente. Exemplos na Bíblia: Gn 12-36; Js 2,1–24; Jz 4–6; Jz 18; 1Sm 4–6.
NOVELA - uma ficção. Sua intenção não é transmitir eventos históricos, mas instruir, sugerir, envolver, emocionar para fazer refeltir sobre as surpresas que a vida nos faz. É uma história mais longa e mais elaborada que a saga. Ela contem os seguintes elementos: introdução, conflito, desenvolvimento da trama, o clímax e a conclusão. Exemplos: José no Egito (Gn 37 a 50), Rute, Judite, Ester e Jonas.
MITOS – uma criação da imaginação humana para satisfazer a necessidade de explicar os mistérios mais profundos da vida. Mito, fé e religião estão ligados a uma mesma intenção: explicar as coisas atribuindo-lhes um valor sagrado. A intenção do mito não é reproduzir a realidade, mas ultrapassar a realidade que se vê e conduzir para uma mensagem que ajuda a desvendar os segredos da vida. Exemplo: Gn 4.
Outros gêneros menores encontrados na Bíblia são: cosmogonia; teofania; provébios; parábola; sátira; lista de vícios e virtudes; bênção; oráculos; biografia; genealogia; milagres; visões; relato de vocação; etiologia, etc.
Algumas sugestões: procure conhecer o significado de cada um desses gêneros; conheça os textos bíblicos citados acima e leia o livro de Jonas.
Maria de Fátima Castelan

Visão Geral da Bíblia


A finalidade dessa Visão Geral da Bíblia é conhecer um pouco da experiência de Fé do Povo de Israel (1º Testamento) e das Comunidades Cristãs (2º Testamento), de forma a nos ajudar a mergulhar na história, cultura, realidade vivida e celebrada destes povos na sua relação com Deus e seu Filho Jesus Cristo.

29 e 30 de maio
1º Testamento – 12hs/aula
11 e 12 de setembro
2º Testamento – 12hs/aula
Horários: sábado de 08 às 17hs e domingo de 08 às 12hs

Haverá certificado para os que cumprirem carga horária mínima de 75%
Inscrições na Sala do CEBI-ES

Rua Duque de Caxias, 121 – Ed. Juel – sala 206 – Centro – Vitória – ES – 29010120 tel. (27)3223-0823 e 9945-2068 – e-mail: cebies@yahoo.com.br
Blog: www.portrasdapalavra.blogspot.com – Atendimento 2ª a 6ª feiras – 09 às 12hs e 14hs às 19hs