Pe. Gabriel: dor e sofrimento, Martírio e doação

“Se o grão de trigo não cai na terra não morre, ele fica sozinho” (Jo 12,24).

A história de Pe. Gabriel Félix Roger Maire, missionário francês martirizado em 23 de dezembro de 1989, entre Cariacica e Vila Velha, está impregnada de doação e amor a Deus, a serviço dos mais pobres nas periferias da Grande Vitória na década de noventa. Mas hoje, além da dor da sua entrega estamos também sofrendo pelo fato de se tripudiar em cima do seu cadáver como foi feito recentemente.

Ao celebrarmos o 18º ano de seu assassinato duas questões reaparecem: o papel do martírio na Igreja, por causa do Reino de Deus e a Evangélica opção preferencial pelos pobres. A Igreja nascente, quando ainda não estava comprometida nem com os impérios, nem com o poderio econômico, entendia que o Martírio era semente de novos cristãos. Assim muitos gastaram a sua vida como o grão de trigo que morre para dar vida a uma nova planta que iria produzir cem, sessenta, trinta frutos por um (cf. Mt 13,1-23).

Por sua vez a Evangélica opção preferencial pelos pobres sempre convocou a todos olhar com cuidado e carinho a situação dos empobrecidos, não por que eles são mais santos que os outros, e sim porque eles estão desprovidos das condições básicas para terem vida e vida em abundância, como disse Jesus ao jovem rico (cf. Mt 19,16-30).

Que os Santos Mártires dos nossos dias intercedam por nós junto a Jesus Cristo.

(Enviado por mitra.vitória039@terra.com.br em 21/12/07)