O fermento dos Fariseus e de Herodes - Maurício Abdalla

"Prestem atenção e tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes" (Mc 8,15).

A advertência de Jesus a seus discípulos, no evangelho de Marcos, logo depois de ter alimentado uma grande multidão com o que tinha à disposição (“sete pães”), partilhando e distribuindo os alimentos, revela que na sociedade de sua época havia distintos projetos e ideias que disputavam a capacidade de “fermentar” as mentes de seu tempo.

O seu, chamado de Reino de Deus – fundado nos ideais de justiça, partilha dos bens, amor irrestrito a todos os seres humanos, tolerância, perdão, igualdade social e paz – competia com o dos fariseus e de Herodes (na mesma passagem do evangelho de Mateus aparecem os saduceus no lugar de Herodes) – baseado no domínio político de uma casta social, na aplicação rigorosa da lei, no exclusivismo étnico e religioso (só os judeus se salvam), na concentração de bens, na submissão ao Império, etc.

Teologia Antenada - Leituras Históricas da Bíblia

Palestra com o Dr. Milton Schwantes: (Teólogo e pastor Luterano) Palestra realizada em Maio de 2010 na Faculdade Unida de Vitória

Uma Missa de Ramos diferente

Enquanto a paróquia de São Pedro, no bairro São Pedro, periferia de Vitória-ES, realizava a procissão de Ramos, o pároco foi informado de que mais a frente, no trajeto que a procissão passaria, acabara de acontecer um assassinato. O padre Kelder, então, decidiu celebrar a missa programada para acontecer na matriz de São Pedro naquele local, onde de novo, a violência acabara com mais uma vida. Num ato de amor e comprometimento, realizou a missa de encerramento em volta do corpo do jovem rapaz.

Padre Kélder Brandão explicou que ao receber a notícia lembrou-se de Santo Ambrósio que, perante uma situação semelhante, fechou a Igreja e pediu ao povo que fizesse penitência para voltar a abri-la. Assim, e em sintonia com a celebração do dia, que narra a paixão e morte de Jesus, toda a comunidade celebrou com a presença do cadáver, enquanto se aguardava a chegada da polícia para a retirada. “Durante todo o dia, o sentimento era de tristeza e dor em toda a comunidade. Nunca vi São Pedro tão triste”, disse padre Kélder.

O arcebispo de Vitória, Dom Luiz Mancilha Vilela esclareceu que “o padre agiu espontaneamente e de forma profética diante do fato. Celebrar a missa naquele local foi um gesto concreto de mostrar que Jesus deu a sua vida pela paz. Jesus veio para que todos tenham vida e não a morte”.

Na semana passada, um jovem negro no município da Serra foi espancado e torturado até a morte.

Nesta quarta-feira, 16/04, as 19h, haverá uma procissão em direção à igreja de São Pedro, onde o Pe. Kelder ministrará a missa. 

Movidos pelo amor que vem de Deus, pelo comprometimento com os mais fracos, pobres e oprimidos, convidamos todos a se juntarem a nós nesta missa, no intuito de levarmos nosso apoio, compaixão e indignação pelas mortes diárias que estão ceifando a vida de nossos jovens, mulheres e crianças. 

Precisamos dar um basta à impunidade, um basta à violência policial, um basta as truculências do governo, que governa só para as elites.

Venha de branco e traga uma flor, num ato simbólico de paz daremos nossos pesames à comunidade de São Pedro e nos comprometeremos, assinando lá com todos presentes uma declaração pública, de que não aceitaremos mais que as vidas sejam levadas, que o povo seja humilhado e que a morte prevaleça.

'Quando o dia da paz renascer, quando o sol da esperança brilhar, eu vou cantar"

Movimentos sociais e Ecumênicos do ES

Nobel da Paz: Dom Paulo Arns me salvou duas vezes da ditadura brasileira

O ativista de direitos humanos argentino Adolfo Perez Esquivel, de 82 anos, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1980, disse que foi "salvo duas vezes" por dom Paulo Evaristo Arns durante a ditadura no Brasil.

Em entrevista à BBC Brasil em Buenos Aires, Esquivel disse que foi preso na primeira vez por militares em São Paulo em 1975, e na segunda vez em 1981.

"Em 1975, foi muito difícil, porque eles colocaram um capuz na minha cabeça, uma gravação de gritos de pessoas sendo torturadas e levantavam um pouco o capuz somente para que eu pudesse identificar latino-americanos que eles perseguiam."

Segundo ele, os militares queriam que ele "denunciasse" outros opositores ao regime no Brasil. "Eu disse que não conhecia ninguém”.

Perez Esquivel afirmou ainda que três militares o interrogaram e não pode ver seus rostos. "Eram três interrogadores – um muito duro que dizia que iam me matar, que iam me torturar, outro que dizia que era conveniente que eu falasse e outro que queria se fazer de meu amigo, que estava ali para me ajudar", afirmou.

Carta de um teólogo, Pe. José Antônio Pagola, ao Papa

Querido irmão Francisco:

Desde quando foste eleito para ser a humilde “Rocha” sobre a qual Jesus quer continuar construindo hoje a sua Igreja, segui com atenção tuas palavras. Agora, acabo de chegar de Roma, onde te vi abraçando crianças, abençoando enfermos e desvalidos e saudando multidões.

Dizem que és próximo, simples, humilde, simpático, e não sei quantas outras coisas. Penso que há em ti algo mais, muito maior. Pude ver a Praça São Pedro e a Via da Conciliação repletas de pessoas entusiasmadas. Não creio que essa multidão se sinta atraída somente por tua simplicidade e simpatia. Em poucos meses, te transformaste numa “boa notícia” para a Igreja e, inclusive, mais além da Igreja. Por quê?

Quase sem nos darmos conta, estás introduzindo no mundo a Boa Notícia de Jesus. Estás criando na Igreja um novo clima, mais evangélico e mais humano. Estás trazendo o Espírito de Cristo. Pessoas distantes da fé cristã me dizem que as ajudas a confiar mais na vida e na bondade do ser humano. Alguns, que vivem sem caminhos para Deus, me confessam que despertou em seu interior uma luz, que os convida a rever sua atitude ante o Mistério último da existência.

Políticos indianos defendem a forca para mulheres estupradas

Líderes políticos afirmaram que mulheres solteiras ou casadas que têm relações sexuais com outros homens devem morrer, mesmo que tenham sido violentadas

Uma declaração de um dos chefes do Partido Socialista Maharashtra da Índia, Abu Azmi, teve repercussão internacional: ele defendeu que mulheres que mantêm relações sexuais antes do casamento – mesmo se for caso de estupro – devem ser enforcadas.

“Qualquer mulher, casada ou solteira, deve ser morta se se deitar com um homem, com ou sem consentimento”, defendeu.

O filho de Azmi, o também político e candidato ao governo de Mumbai, pediu desculpas pelas declarações do pai, segundo o The Independent. “Eu acredito que estupradores deveriam ser enforcados centenas de vezes. Tenho cinco irmãs e todos na minha família pensam o mesmo”, retratou.

Ressurreição e Missão: Estou com vocês todos os dias! (Mt 28,1-20) [Mesters, Lopes e Orofino]

O Evangelho a ser refletido no próximo domingo é Mt 28,1-10. Aqui, optamos por transcrever a passagem integral (Mt 28,1-20), abordada no 25º roteiro de círculo bíblico do livro Travessia: quero misericórdia e não sacrifício.

Situando 

a) No início do Evangelho de Mateus, ao apresentar Jesus, o evangelista tinha dito que Jesus é Emanuel, Deus Conosco (Mt 1,23). Agora, no fim, ele comunica a mesma certeza, pois a fé, proclamada pelas comunidades, era esta: “Jesus ressuscitou como havia dito. Ele está vivo no meio de nós e nos envia em missão! Estará conosco sempre, até o fim dos tempos. (Mt 28,7.18-20). Mas nas contradições da vida, esta verdade muitas vezes é contestada. Por isso, neste último capítulo, não faltam as oposições. De um lado, guardas romanos que controlam tudo. Do outro, mulheres amorosas que buscam saídas. De um lado, os chefes dos judeus mandam dizer que o corpo foi roubado pelos discípulos. Do outro, as mulheres, alegres com a presença de Jesus, reúnem de novo os discípulos e levam a eles a Boa Notícia da ressurreição.

Papa diz «basta» ao tráfico de pessoa

Cidade do Vaticano, 10 abr 2014  – O Papa defendeu hoje ser necessário dizer “basta” ao tráfico de pessoas, que considerou um “crime contra a humanidade”.

“O tráfico de seres humanos é uma chaga, uma chaga no corpo da humanidade contemporânea, uma chaga na carne de Cristo. É um crime contra a humanidade”, declarou, perante os participantes na segunda conferência internacional ‘Combating Human Trafficking: Church and Law Enforcement in partnership’, que decorre desde quarta-feira no Vaticano.

Segundo Francisco, este é “um encontro importante, mas também é um gesto da Igreja, das pessoas de boa vontade, que quer gritar ‘basta’!”.

A paz perene com a natureza e a Mãe Terra - Leonardo Boff

Um dos legados mais fecundos de Francisco de Assis e atualizado por Francisco de Roma é a pregação da paz, tão urgente nos dias atuais. A primeira saudação que São Francisco dirigia aos que encontrava era desejar “Paz e Bem” que corresponde ao Shalom bíblico. A paz que ansiava não se restringia às relações inter-pessoais e sociais. Buscava uma paz perene com todos os elementos da natureza, tratando-os com o doce nome de irmãos e irmãs.

Especialmente a “irmã e Mãe Terra”, como dizia, deveria ser abraçada pelo amplexo da paz. Seu primeiro biógrafo Tomás de Celano resume maravilhosamente o sentimento fraterno do mundo que o invadia ao testemunhar:”Enchia-se de inefável gozo todas as vezes que olhava o sol, contemplava a lua e dirigia sua vista para as estrelas e o firmamento. Quando se encontrava com as flores, pregava-lhes como se fossem dotadas e inteligência e as convidava a louvar a Deus. Fazia-o com terníssima e comovedora candura: exortava à gratidão os trigais e os vinhedos, as pedras e as selvas, a plantura dos campos e as correntes dos rios, a beleza das hortas, a terra, o fogo, o ar e o vento”.

Estudo em Santa Maria de Jetibá

No dia 05 de abril fomos a Santa Maria de Jetibá para estudarmos o livro de Gênesis. O encontro foi na União Paroquial da Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil (IECLB). Tivemos a presença de 35 pessoas animadas e participativas.

Após um rico e espirituoso momento de oração conduzido pela Pastora Marli, a qual enfocou a violência contra a mulher e que cada um(a) de nós somos pessoas boas, a Equipe de CEBI-ES propôs que cada participante criasse, com massa de modelar, o mundo de hoje. A seguir o grupo apresentou sua “criação” e o porquê fez aquela obra. Esta atividade foi o ponto de partida para iniciar o estudo do Livro do Gênesis.

Depois deste momento inicial foi feita uma introdução ao Livro do Gênesis, sendo focados os períodos em que os textos foram escritos com a finalidade de situar os participantes. Neste momento foi feita a seguinte pergunta: Alguém estava presente quando Deus criou o mundo? Foi destacado ainda neste momento que o Livro do Gênesis é divido em dois blocos, a saber: capítulos 1 a 11 – A origem da humanidade e capítulos 12 a 50 – As origens dos povos.

O próximo encontro será dia 09 de agosto com o estudo do livro dos Salmos. Venha participar conosco!!!

Clique aqui e veja as demais fotos.